O iPhone 13 faz parte da geração mais recente de smartphones da Apple, que chegou ao Brasil em outubro de 2022. O celular vem com o poderoso processador Apple A15 Bionic e recebeu melhorias em câmera e bateria. Por outro lado, a tela segue com taxa de atualização de 60 Hz.

Alguns meses após o lançamento, o modelo já pode ser encontrado mais barato, mas será que o smartphone da Apple vale a pena? Testei o iPhone 13 por algumas semanas, incluindo durante a minha viagem de férias. Ele foi o responsável por fotografá-la. Neste review, compartilho minhas impressões sobre o aparelho. Descubra se vale a pena investir no celular da Apple.

iPhone 13: preço e melhores ofertas

O iPhone 13 está disponível em três versões, com quantidades de memória diferentes. Na hora de escolher o melhor modelo, vale analisar o custo-benefício de cada uma delas e o uso que você faz do aparelho. Afinal, ele não aceita microSD.

Ofertas do iPhone 13 128 GB

Ofertas do iPhone 13 256 GB

Ofertas do iPhone 13 512 GB

Prós e contras do iPhone 13

Prós

Logo de cara, já dá para perceber que o iPhone 13 é bem bonito, com um acabamento elegante e variedade de cores. Mas mais do que isso, o smartphone se destaca por ser também resistente, com proteção Ceramic Shield e certificação IP68.

Além disso, o aparelho oferece ótimo desempenho, sendo capaz de rodar qualquer app com eficiência, graças ao seu processador Apple A15 Bionic. O chipset ainda ajuda na economia de energia, garantindo um dia de uso para a bateria do celular.

Também não poderia deixar de destacar o excelente conjunto de câmeras do smartphone. Como já é esperado nos celulares da Apple, o iPhone 13 faz ótimas fotos, até mesmo em condições menos favoráveis de iluminação. Ele ainda oferece variedade de recursos e modos de fotografia.

Com tudo isso, dá pra dizer que o principal ponto positivo do iPhone 13 é oferecer um conjunto completo. O celular é bom em tudo o que se propõe e vai agradar à maioria dos usuários. Ele ainda tem opções com memória interna de até 512 GB, espaço suficiente para guardar fotos, apps e outros arquivos.

Contras

Há algum tempo, a Apple deixou de enviar o carregador na caixa do iPhone. Embora muitos usuários já tenham se acostumado com essa realidade, cito como um ponto negativo. Isso porque você vai precisar comprar o acessório separadamente e, dependendo da potência, não conseguirá aproveitar o carregamento rápido.

Outra decepção no iPhone 13 foi a tela. O smartphone tem um display Super Retina XDR de alta qualidade. Entretanto, traz taxa de atualização de apenas 60 Hz, que é o padrão dos smartphones. A Apple até adotou os 120 Hz, mas apenas nas versões Pro. Por outro lado, vemos celulares Android intermediários com essa característica.

Por último, outro contra do iPhone 13 são as poucas novidades. Apesar de ser um ótimo aparelho, falta um diferencial em relação à versão anterior. Inclusive, se você tem o iPhone 12, o upgrade para o 13 pode nem valer a pena.

O que vem na caixa?

Como já acontece há algum tempo, a Apple deixou de enviar acessórios na caixa do iPhone. Assim, o iPhone 13 vem apenas com:

  • Cabo Lightning para USB-C
  • Extrator de chip
  • Manual do usuário
iPhone 13 traz apenas um cabo e extrator de chip na caixa (Foto: Mosaico)

Ficha técnica

Design bonito e resistente com seis opções de cores

Ao pegar um smartphone, o design é sempre a primeira coisa que reparamos e, nesse ponto, o iPhone 13 manda muito bem. Seu visual é bastante semelhante ao do iPhone 12, com as laterais retas, que fazem os mais nostálgicos lembrar do iPhone 4.

Na parte traseira, a principal novidade foi o reposicionamento do módulo de câmeras. Como os sensores estão maiores, a Apple dispôs as câmeras na diagonal e não mais uma embaixo da outra. Mantendo a tradição, o logo da Maçã também segue na traseira. Já na frente do iPhone 13, a mudança mais notável é a redução do notch, que continua abrigando a câmera frontal, o sensor Face ID e o alto-falante para chamadas. A vantagem é um pequeno ganho no espaço útil da tela.

De resto, o iPhone 13 tem as mesmas características do anterior. Na lateral esquerda, fica a gaveta de chips e os botões de volume. Já na lateral direita, está o botão power, que também serve para acionar a Siri. Por fim, na parte inferior, ficam a entrada Lightning para carregamento, o microfone e os alto-falantes.

Ainda falando do design, o aparelho tem traseira de vidro liso e laterais de alumínio. O acabamento brilhoso faz com que o smartphone tenha facilidade para ficar com marcas de dedos, mas nada que um paninho (ou o uso de uma capa) não resolva.

O iPhone 13 chegou nas cores branco (que a Apple chama de estelar), preto (chamado de meia-noite), rosa, azul e vermelho. Posteriormente, o celular também ganhou uma versão na cor verde. O modelo usado em nossos testes foi o vermelho, que, particularmente, é o meu preferido. De qualquer forma, todas versões são bem bonitas e têm uma aparência elegante, digna dos produtos Apple.

Em relação à pegada, o smartphone é muito confortável de segurar e manusear. Com tela de 6,1 polegadas, o iPhone 13 tem um tamanho que eu considero ideal: não é nem muito grande, nem pequeno, e ainda pode ser guardado no bolso. Suas dimensões são 146,7 mm de altura, 71,5 mm de largura e 7,65 mm de espessura, com peso de 173 gramas.

Lateral do iPhone 13 com botões de volume e gaveta para chip (Foto: Mosaico)

Além da beleza, o visual do iPhone 13 também se destaca pela resistência. Os vidros traseiro e frontal do smartphone têm proteção Ceramic Shield, contra riscos e queda. A borda plana, segundo a Apple, também oferece maior durabilidade. Para completar o pacote, o smartphone também conta com certificação IP68, que o torna resistente à água e poeira, ideal para os usuários mais desastrados.

Apesar das poucas inovações no visual do iPhone 13, não há o que reclamar. O smartphone é bonito, elegante e resistente. Certamente, vai agradar à maioria dos usuários.

Tela Super Retina XDR, mas apenas 60 Hz de taxa de atualização

Telas de alta qualidade já são tradição nos celulares da Apple e com o iPhone 13 não seria diferente. O smartphone vem com um display de 6,1 polegadas e tecnologia que a Apple chama de Super Retina XDR.

O aparelho tem um painel OLED, que está 28% mais brilhante do que a geração anterior. Na prática, é possível enxergar com perfeição, mesmo sob a luz forte do sol. Outros pontos positivos do painel OLED são a economia de energia e as bordas extremamente finas.

iPhone 13 tem tela Super Retina XDR de alta qualidade, apesar da taxa de atualização de 60 Hz (Foto: Mosaico)

Além disso, o smartphone tem resolução de 2532 x 1170 pixels e densidade de pixels de 460 ppi, acima do que o olho humano consegue diferenciar. O aparelho também é compatível com tecnologia HDR, que garante brancos mais claros e pretos mais profundos. Assim, o iPhone 13 entrega imagens nítidas e de alta qualidade, com ampla tonalidade de cores e precisão de cor. É um ótimo smartphone, seja para jogar, assistir a vídeos ou apenas navegar nas redes sociais.

A principal questão em relação à tela é a taxa de atualização, que mantém o padrão de 60 Hz. Esse recurso faz com que as imagens atualizem em maior frequência, garantindo transições mais fluidas e suaves.

Há algum tempo, vemos celulares Android, até mesmo intermediários, com taxas de atualização de 120 Hz, mas o iPhone continua com apenas 60 Hz. A Apple até resolveu adotar os 120 Hz, mas fez apenas nas versõs Pro, que trazem o chamado ProMotion. No caso do iPhone 13 e 13 Mini, a fabricante optou por manter os já tradicionais 60 Hz.

Isso não significa que a experiência com o display do iPhone 13 seja ruim, mas ela poderia ser ainda melhor com uma taxa de atualização maior. A decepção acontece, porque estamos falando de um smartphone premium que não traz um recurso já presente em diversos Androids intermediários.

O sistema de câmera dupla mais avançado da Apple

Durante o lançamento do iPhone 13, a Apple afirmou que o smartphone tem o sistema de câmera dupla mais avançado em um iPhone até hoje. Embora, os sensores permaneçam com 12 MP, a fabricante fez diversas melhorias a nível de hardware e software para garantir fotos melhores.

iPhone 13 tem o conjunto de câmera dupla mais avançado da Apple (Foto: Mosaico)

De fato, o smartphone cumpre o que promete. Levei o iPhone 13 para minha viagem de férias em Nova York, em fevereiro deste ano, e me surpreendi com os resultados. O aparelho faz fotos de alta qualidade, em diferentes condições de iluminação. Às vezes, ele tem certa dificuldade para equilibrar luzes e sombras em fotos noturnas, mas no geral o resultado é bem satisfatório.

A câmera frontal, também com 12 MP, rende ótimas selfies, com alto nível de nitidez e cores bem definidas. Além disso, o aparelho oferece diversos recursos para fotografia. É o caso dos novos Estilos Fotográficos e dos já conhecidos modo Noite, HDR Inteligente e Deep Fusion.

Abaixo, estão algumas fotos que tirei com o iPhone 13 durante as minhas férias. Você pode ver mais imagens e conferir todas as minhas impressões neste outro artigo sobre as câmeras do iPhone 13.

Brooklyn Bridge em foto tirada durante o dia com o iPhone 13 (Foto: Aline Batista/Mosaico)
Manhattan em foto tirada durante o dia com o iPhone 13 (Foto: Aline Batista/Mosaico)
Vista do Intrepid Sea, Air & Space Museum, em Nova York (Foto: Aline Batista/Mosaico)
Vista de Roosevelt Island, em Nova York (Foto: Aline Batista/Mosaico)
Foto noturna de Nova York tirada com o iPhone 13 (Foto: Aline Batista/Mosaico)

Falando de gravações de vídeo, o iPhone 13 também trouxe algumas novidades. O smartphone captura em resolução 4K a 60 frames por segundo. Os vídeos são estáveis e têm uma qualidade muito boa, até mesmo à noite.

O destaque vai para o modo Cinema. Com ele, o smartphone consegue manter o foco na pessoa em cena e desfocar todo o resto, além de prever e mudar o foco para outra pessoa automaticamente. O usuário ainda pode fazer edições posteriores para garantir um resultado digno de cinema.

Desempenho de ponta com processador Apple A15 Bionic

O iPhone 13 vem com o novo processador Apple A15 Bionic. O chipset tem uma CPU de 6 núcleos, sendo 2 de alto desempenho e 4 de alta eficiência, e tecnologia Neural Engine de 16 núcleos que pode realizar 15,8 trilhões de operações por segundo. De acordo com informações da própria Apple, a nova CPU é até 50% mais rápida que a concorrência.

Aqui, vale ressaltar que a experiência com o aparelho foi bastante positiva. No entanto, não senti nenhuma grande mudança em relação ao iPhone 12, com processador A14 Bionic. A geração anterior já oferecia excelente desempenho e a Apple manteve essa característica.

O smartphone não apresentou travamentos, lags ou quaisquer outros problemas relacionados à performance. Durante os testes, o iPhone 13 rodou bem desde os aplicativos básicos, como redes sociais, até jogos mais pesados, como Asphalt 9. Além disso, foi bastante eficiente em multitarefas, com vários apps abertos ao mesmo tempo.

iPhone 13 vem com o processador Apple A15 Bionic que garante ótimo desempenho (Foto: Mosaico)

Falando de hardware, a Apple não costuma revelar a quantidade de memória RAM presente em seus aparelhos. Contudo, testes de benchmark indicam que o iPhone 13 tem 4 GB. Esse valor é suficiente para garantir um ótimo desempenho na execução de diferentes tarefas.

Em relação ao armazenamento, a linha 13 trouxe uma novidade: a Apple deu fim à versão de 64 GB e apresentou opções com até 1 TB, para os modelos Pro. Essa foi uma decisão muito acertada, visto que 64 GB é uma quantidade pequena de espaço, principalmente, pensando a longo prazo.

No caso do iPhone 13, o smartphone está disponível em versões com 128 GB, 256 GB e 512 GB. Aqui, é importante avaliar o preço do aparelho e o uso que você faz do smartphone. De forma geral, acredito que 128 GB seja suficiente para a maioria dos usuários, principalmente, porque utilizamos muitos serviços de armazenamento em nuvem no dia a dia. Ainda assim, é importante lembrar que, assim como os demais iPhones, esse modelo também não permite expansão via cartão de memória.

Outro ponto positivo que vale citar é o sistema operacional. O iPhone 13 vem com o iOS 15 de fábrica e vai receber em breve a atualização para o iOS 16, que já foi anunciado. A plataforma funciona muito bem no smartphone. Aqui, vale mencionar que como a Apple produz hardware e software do aparelho, a integração entre eles é muito fluida. Além disso, tem uma interface muito amigável e fácil de utilizar. Eu, por exemplo, que não sou usuária de iPhone no meu dia a dia, me acostumei rapidamente com o sistema.

Também vale destacar todas os recursos de segurança e privacidade que a fabricante vem implementando no iOS, como relatório de privacidade de apps, proteção de privacidade do app Mail e retransmissão privada do iCloud. O próprio processador A15 Bionic tem o Secure Enclave, que protege informações pessoais, como os dados do Face ID e contatos.

Por fim, não podemos deixar de mencionar os recursos de conectividade do iPhone 13. O smartphone é compatível com redes 5G, que devem começar a funcionar este ano no Brasil. Além disso, tem Wi‑Fi 6, Bluetooth 5.0 e NFC, e funciona com eSIM, para quem precisa ter dois números diferentes.

Lateral direita do iPhone 13 com botão power (Foto: Mosaico)

Bateria para o dia todo, mas sem carregador na caixa

Bateria sempre foi um ponto fraco da Apple e era comum ouvir reclamações dos usuários sobre a autonomia do smartphone. No entanto, a fabricante vem trabalhando nesse ponto há algumas gerações e evoluiu bastante. Embora não revele a capacidade do aparelho, testes de benchmark mostram que o iPhone 13 tem 3.227 mAh. O valor parece pouco, principalmente, se comparado aos celulares Android, que costumam ter acima de 5.000 mAh. Ainda assim, é suficiente para garantir até 19 horas de reprodução de vídeo, segundo a fabricante.

Como disse, levei o iPhone 13 para minha viagem de férias e só tenho elogios à bateria do smartphone. O aparelho aguentou um dia inteiro de uso com apenas uma carga, utilizando muito o Google Maps, Spotify e câmera. Na maioria das vezes, eu ainda conseguia retornar ao hotel, à noite, com cerca de 20% de carga.

Entrada Lightning do iPhone 13 para carregador (Foto: Mosaico)

O único ponto negativo em relação à bateria é a ausência do carregador. Já fiz essa observação nos reviews dos iPhones 11 e 12, mas volto a repetir aqui. O aparelho vem apenas com um cabo Lightning para USB-C, sem um adaptador de tomada. O problema é que isso interfere no tempo de carregamento do smartphone.

O iPhone 13 tem carregamento rápido e promete 50% de bateria em apenas 30 minutos na tomada. O problema é que, para isso, você precisa ter um carregador com 20W ou mais de potência. Esse modelo é mais caro. Para que você tenha uma noção, o adaptador de tomada de 20W custa R$ 191,00 no site da Apple. De qualquer forma, é possível encontrar opções similares com preços mais acessíveis.

No meu caso, para os testes, usei um carregador com 10W de potência. Ele levava mais de três horas para carregar o aparelho. Durante a viagem, deixava o smartphone carregando à noite para ter certeza de que eu teria bateria no dia seguinte.

Ainda falando de bateria, o iPhone 13 é compatível com carregamento sem fio e tecnolgoia MagSafe, que permite carregar a bateria do smartphone utilizando uma capinha, por exemplo.

iPhone 13 chegou ao Brasil com preços a partir de R$ 7.599 (Foto: Mosaico)

iPhone 13: preço e custo-benefício

O iPhone 13 chegou ao Brasil em outubro de 2022, em versões com três armazenamentos diferentes:

  • 128 GB por R$ 7.599
  • 256 GB por R$ 8.599
  • 512 GB por R$ 10.599

Atualmente, em junho de 2022, o modelo já sofreu uma boa queda de preço e pode ser encontrado por a partir de R$ 5.200.

O preço ainda é alto, mas está dentro do esperado para o universo, e posso garantir que o smartphone vale a pena. Estamos falando de um aparelho premium, que executa todas as tarefas com excelência. Só não recomendo para quem já tem o iPhone 12. Nesse caso, a troca não compensa, porque as novidades da geração mais recente não são muitas.

De resto, o iPhone 13 deve agradar à maioria dos usuários. É uma opção interessante para quem quer entrar no universo Apple ou tem um iPhone mais antigo e quer fazer um upgrade.

iPhone 13 é uma boa opção para quem quer entrar no universo Apple ou tem um iPhone mais antigo (Foto: Mosaico)

Acessórios compatíveis

O principal acessório que você vai precisar comprar para o iPhone 13 é o adaptador de tomada, para carregar o smartphone. O modelo oficial da Apple custa a partir de R$ 191, mas é possível encontrar opções similares no mercado mais baratas. A dica é escolher um acessório com, pelo menos, 20W de potência para aproveitar o carregamento rápido do celular.

Também vale a pena investir em um carregador por indução, que oferece a comodidade do carregamento sem fios, ou em uma capinha carregadora.

Como o iPhone 13 não vem com fones de ouvido, nem tem entrada P2, também é interessante apostar em um fone Bluetooth para usar com o aparelho. Os modelos da Apple são as opções mais recomendadas, não só pela alta qualidade de som, mas também porque oferecem ótima integração com o telefone. Por isso, vale dar uma olhada no AirPods 3 ou o AirPods Pro.

No entanto, se você preferir um dispositivo mais em conta, pode investir em um fone Bluetooth de outra marca, como o Redmi AirDots 3, da Xiaomi, ou o , da Samsung. Aproveite para conferir também a lista de melhores fones de ouvido sem fio.

Além disso, é sempre válido comprar uma capinha e uma película para proteger o smartphone. Confira as melhores ofertas de capa para o iPhone 13 e as películas para iPhone 13 pelo menor preço.

Modelos similares

O principal rival do iPhone 13 é o Galaxy S22, que faz parte da linha premium da Samsung. O modelo concorre com o iPhone em todos os quesitos, como desempenho e câmeras, sendo uma opção interessante para quem prefere o sistema Android.

Entre os celulares da própria Apple, a linha 13 ainda conta com os iPhone 13 Pro e 13 Pro Max. Os aparelhos oferecem câmera tripla, desempenho ainda mais veloz, bateria com maior duração e versões com até 1 TB de armazenamento.

Outra opção é o iPhone 13 Mini, que traz exatamente a mesma ficha técnica do iPhone 13, mas é menor, com tela de 5,4 polegadas.

Para quem busca custo-benefício, o iPhone 12 é a melhor opção. A geração anterior ficou mais barata após o lançamento da linha 13 e ainda oferece um ótimo conjunto. Por isso, é interessante para quem quer economizar e não se importa em ter um aparelho mais antigo.

Por falar em economia, se você está em busca de um celular mais barato, vale conferir as listas de aparelhos com melhor custo-benefício ou telefones por até R$ 1.500. Se ainda tiver dúvidas, veja também a seleção de melhores smartphones, com as indicações dos nossos especialistas.

Conclusão: iPhone 13 vale a pena?

Sabe aquele ditado "em time que está ganhando não se mexe"? Então, foi isso que aconteceu com o iPhone 13. A Apple fez algumas melhorias, mas, mais uma vez, trouxe poucas novidades no aparelho. Isso já vem acontecendo há algumas gerações. Testei os iPhones 11, 12 e 13 e percebi poucas mudanças entre eles.

Por isso, nossa nota para o iPhone 13 é 9,2. Não se trata de um smartphone ruim ou mediano. Ao contrário, o iPhone 13 é excelente em tudo, desde o desempenho até o conjunto de câmeras. A questão é que, mais uma vez, falta um diferencial, uma novidade em relação ao seu antecessor que faça a compra realmente valer a pena.

Ainda assim, é um aparelho que tende a agradar à maioria dos usuários por oferecer um conjunto completo e de alta qualidade.

Economia de verdade com o Buscapé

Quer comprar o iPhone 13 pelo menor preço? Então, aproveite as ferramentas que o Buscapé oferece para garantir economia de verdade para você. Com o Histórico de Preços e o Alerta de Preços, você fica sabendo qual é o melhor momento para comprar o produto. Além disso, aqui, você compara os valores em diferentes lojas e ainda recebe cashback, que é dinheiro de volta.

Para te ajudar ainda mais na compra, também temos uma página repleta de cupons de desconto. Conheça todos os benefícios que o Buscapé oferece para te ajudar a economizar.