O liquidificador Oster MyBlend é um modelo portátil e, assim como outros produtos da marca, é um dos mais buscados por aqui. O eletro tem 250W de potência, vem com dois copos que viram garrafinhas e chama a atenção pelo seu design moderno e o tamanho compacto. Além disso, é claro: a reputação da Oster também ajuda em seu sucesso.

Para descobrir se esse liquidificador portátil Oster vale a pena, eu testei a versão de 127V do aparelho em casa e conto tudo sobre ele no review abaixo. Desde já, adianto que mesmo que essa não tenha sido a minha primeira experiência com um modelo de liquidificador individual, o Oster MyBlend me surpreendeu. Mas ele também tem alguns pontos que merecem a sua atenção antes da decisão final sobre a compra. Dá uma olhada para conhecer cada um deles!

Quer saber mais sobre os liquidificadores portáteis? Confira esses artigos:

Prós e contras do Oster MyBlend

Prós

O liquidificador portátil Oster MyBlend vem acompanhado de dois copos que viram garrafinhas e têm 600ml cada. O formato das garrafas torna a pegada mais fácil, ou seja, o uso é seguro e mais difícil de deixar cair. Além disso, o aparelho bate os ingredientes com rapidez, tritura gelo e é fácil de acionar.

Contras

O anel de vedação da base de lâminas precisa de atenção redobrada na hora do encaixe, para evitar vazamentos durante o uso. Na hora da limpeza, o formato das jarras e os anéis de vedação (da base de lâminas e das tampas das garrafas) diminuem a praticidade do processo.

Preço do liquidificador portátil Oster MyBlend

Ficha técnica do liquidificador Oster MyBlend

O que vem na caixa do Oster MyBlend?

O liquidificador Oster MyBlend tem acessórios resistentes e duráveis (Foto: Mosaico)
  • base de motor;
  • conjunto de lâminas;
  • duas jarras de 600ml;
  • duas tampas para as garrafas;
  • manual de instruções.

Acabamento

Assim como acontece com a maior parte dos aparelhos da Oster, o liquidificador portátil MyBlend tem, de forma geral, um acabamento de qualidade. A base do aparelho é compacta (como é de se esperar para os produtos dessa categoria), bem firme e tem uma alça de transporte. Como o acionamento do motor é feito de forma diferente - que vou detalhar no tópico de usabilidade - ela não tem nenhum botão e é bem clean.

A base de lâminas desse modelo é removível, característica essencial para o bom funcionamento de um liquidificador individual. Ela tem quatro facas de aço inox. Além de encaixar no motor, ela também serve como tampa das garrafinhas/jarras durante o uso: você coloca os ingredientes no recipiente, fecha com as lâminas para dentro e, depois, aciona o funcionamento delas com ajuda da base do motor.

Detalhe da marcação de capacidade máxima na jarra do liquidificador Oster (Foto: Mosaico)

As jarras do Oster MyBlend são feitas de Tritan, que é um plástico resistente, têm 600ml de capacidade total e um formato que otimiza a pegada durante o uso como squeeze. Ou seja: elas não escorregam da sua mão com facilidade. As duas garrafinhas têm marcação de capacidade máxima em ml e ounces (oz, unidade de medida usada nos Estados Unidos e na Inglaterra) e, em suas bases, é possível encaixar a tampinha para facilitar na hora de guardar o aparelho montado.

Um ponto positivo do liquidificador portátil Oster é, justamente, o fato dele ir com duas garrafinhas. Alguns aparelhos da categoria seguem essa mesma lógica, mas não são todos. Com duas opções, você consegue preparar bebidas para diferentes momentos do dia e armazenar, ou até personalizar as receitas para você e outra pessoa.

Usabilidade

Ao falar de um modelo de liquidificador portátil, é sempre bom lembrar que sua potência é otimizada para preparos de bebidas variadas, como sucos, vitaminas e shakes. O Oster MyBlend, por exemplo, tem 250W o suficiente para a proposta do aparelho, mas que não serve para bater alimentos mais pesados e consistentes. Então, se você prepara receitas mais complexas no seu dia a dia, o ideal é que você tenha um liquidificador tradicional junto do Blender, ok?

As duas garrafas do Oster MyBlend tornam o uso do aparelho mais prático (Foto: Mosaico)

Como usar o Oster MyBlend?

A característica que garante o design clean da base desse aparelho é o fato de que ele tem apenas uma velocidade, então não há a necessidade de botões. As bases de lâminas e do motor têm setas indicativas para o encaixe da jarra e, quando você faz isso, o aparelho liga automaticamente. Girando a jarra para o sentido horário, ela trava e o liquidificador funciona até que você o desenrosque, rodando na direção contrária.

Além do modo travado, você também consegue usar esse liquidificador Oster apenas encaixando a jarra na base e pressionando. Desta maneira, ele funciona como a função Pulsar: enquanto você segurar, ele bate; se afrouxar a pressão, ele para.

Mesmo que não tenha sido a minha primeira experiência com um liquidificador portátil, foi a primeira vez que usei um que tenha essa forma de funcionamento. A princípio, fiquei com medo de abrir a jarra com o aparelho em funcionamento nesse momento, mas as lâminas destravam da base com um movimento no sentido anti-horário. Para soltá-las da jarra, por sua vez, o sentido do movimento é horário. O formato anatômico da garrafa também ajuda nesse momento, facilitando o processo.

Mas ainda que seja prática (e comum a modelos de outras marcas), esse formato não me agradou muito. Porém, meus critérios para chegar a essa conclusão são pessoais, baseados no desconforto que senti ao mexer na jarra ainda em funcionamento. Ou seja: ele é eficiente, e, mesmo que não seja a melhor opção para mim, pode ser para você.

Atenção aos encaixes do aparelho

Durante os testes, o Oster MyBlend não vazou em momento algum. Mas, assim como acontece com outros modelos de liquidificador portátil, é essencial que ele esteja bem encaixado para garantir o sucesso do uso. A base de lâminas tem um anel de vedação que fica bem justo a sua estrutura e, na hora do encaixe, precisa de atenção: o ideal é assegurar que ele está no lugar certo para evitar acidentes e vazamentos. Como essa montagem não é das mais simples, vale a pena ter atenção redobrada antes do uso, ok?

Como limpar o liquidificador portátil Oster MyBlend?

Aqui eu chego ao principal ponto de leve decepção com o Oster MyBlend: ele não é dos mais fáceis de limpar. Mas, devo dizer que eu tenho a tendência de evitar o uso de aparelhos que vão me dar trabalho depois do preparo. Com esse liquidificador Oster, o primeiro ponto negativo que encontrei foi, justamente, o formato das garrafas. Por ser anatômico e garantir uma pegada segura, ele acaba sendo estreito demais e, assim, fica difícil de lavar normalmente, com uma esponja na mão - porque a sua mão não entra na jarra. Ou seja: você vai precisar de uma escova específica para lavar o recipiente.

Detalhe dos anéis de vedação da base de lâminas e das tampas do liquidificador Oster (Fotos: Ariel Cristina Borges/Mosaico)

Além disso, os anéis de vedação da base de lâminas e das tampinhas não saem com facilidade. Isso não pode ser considerado 100% um ponto negativo, já que eles garantem que as bebidas não vão vazar durante o preparo ou no transporte como garrafinha. Porém, na hora de lavar, foi necessário usar a pontinha de uma faca para soltar e garantir a limpeza ideal de todas as peças. Por isso, a praticidade do processo, de forma geral, não é das maiores.

Potência

O Oster MyBlend é um liquidificador portátil que tem 250W de potência e eu confesso que, apenas analisando a ficha técnica, eu desconfiei da eficiência do produto por causa desse número baixo. Na prática, fui surpreendida: ele triturou gelo, ingredientes de diferentes texturas, frutas congeladas e misturou muito bem o açúcar.

O Oster MyBlend funcionou bem com as acerolas congeladas (Foto: Ariel Cristina Borges/Mosaico)

O suco de acerola foi meu primeiro teste e o MyBlend não deixou a desejar: elas estavam completamente congeladas e, com rapidez, ele bateu as frutas com água. Mesmo precisando coar depois de pronto (algo normal para esse tipo de suco), a praticidade de colocar novamente na garrafinha e poder guardar na geladeira sem ocupar muito espaço é um ponto positivo do aparelho.

Com gelo e mais frutas, o Oster MyBlend também não decepcionou (Fotos: Ariel Cristina Borges/Mosaico)

Para o segundo teste, preparei uma vitamina usando uma banana, meia maçã e suco de uma laranja. Coloquei, ainda, uma quantidade considerável de gelo. À princípio, tive a impressão de que o aparelho ia dar uma travadinha para triturar as pedrinhas, mas ela só durou um segundo: em pouco tempo, assim como no suco, o resultado foi satisfatório e fez sucesso por aqui.

Barulho

Como já é de se esperar, o liquidificador portátil faz, sim, barulho durante o funcionamento, mas não é nada que ultrapasse os limites do aceitável. O Oster MyBlend tem selo Ruído 2 e nível de potência sonora de 87 dB. Na prática, isso significa que ele pode incomodar um pouquinho, dependendo do horário que você pretende usar, mas dificilmente ele vai ficar ligado por muito tempo. Ou seja: é um barulho rápído, que vale a pena pelo resultado que você vai ter em troca.

Custo-benefício

No que se trata de preço, o Oster MyBlend é bem competitivo. A fabricante tem a fama de oferecer um catálogo cheio de produtos mais caros do que a média, mas não é isso que acontece aqui. O liquidificador portátil da marca pode ser encontrado por menos de R$ 200 e, geralmente, fica dentro do limite da categoria. Ainda assim, vale mencionar que por esse preço, é possível comprar modelos que têm um pouquinho mais de potência e jarras com capacidade maior. Desta forma, a decisão final vai depender de qual marca você prefere apostar.

Produtos similares

Na hora de tomar uma decisão de compra, o ideal é que você considere alguns produtos similares antes de bater o martelo. Pensando nisso, aqui embaixo, nós vamos te dar duas opções entre os melhores liquidificadores portáteis do mercado.

O liquidificador portátil Mondial Personal Blender DG-01 fica na mesma faixa de preço do Oster MyBlend, mas tem especificações diferentes. O modelo conta com dois copos de 750ml cada, 300W de potência, duas velocidades e a função Pulsar. Ainda assim, na prática, o resultado oferecido por ele e o da Oster é bem parecido.

O Philco Nutrifit, por sua vez, é a opção para quem pode e quer gastar um pouquinho mais no liquidificador portátil. Ele é um dos top de linha da categoria, principalmente, por causa de sua potência: são 700W, quantidade que se compara a de aparelhos tradicionais. Além disso, o aparelho também tem três velocidades, função pulsar, seis lâminas e vai com dois copos de 800ml.

Conclusão

Depois de analisar todos esses critérios, a nossa nota para o liquidificador portátil OsterMyBlend é 9. O aparelho é bem eficiente e tem bom custo-benefício. Mas a falta de praticidade na limpeza o impede de ser nota 10. Antes da compra, é necessário considerar as outras opções com preço parecido no mercado. Ainda assim, se você fizer questão de um produto da Oster, vai fazer uma boa compra apostando no MyBlend.

Saiba mais sobre o universo de liquidificadores: