Ative o Buscapé te Protege GRÁTIS. Suas compras protegidas em até R$ 5mil pelo Buscapé te Protege.

Smartphone Xiaomi Redmi 2
Ícone de Favorito

9/10 (Baseado em 57 avaliações)

Produto Indisponível

Avise-me quando chegar
Informações Básicas
TipoSmartphone
MarcaXiaomi
ModeloRedmi 2
ChipsDual Chip
Câmera
Câmera Traseira8.0 Megapixels
Funções da CâmeraDetector de Rosto, Detector de Sorriso, Filma em Full HD, Flash, HDR, Panorama
Câmera Frontal2.0 Megapixels Frontal
Tela
Tamanho da Tela4.7 polegadas
Tipo de TelaIPS HD
Resolução1280 X 720 Pixels
Hardware
ProcessadorQualcomm Snapdragon 410
NúcleosQuad-Core (4 Núcleos)
Velocidade do Processador1.2 GHz
Memória Interna8 GB
EntradasUSB 2.0
Software
Sistema OperacionalAndroid
Características e Conectividade
Internet4G, Wi-Fi
RecursosRádio
Bateria
Bateria2200 mAh
Dimensões
Largura67,2 mm
Altura134 mm
Profundidade9,4 mm
Peso133 g
Por Colaborador em 28/07/2015
Xiaomi Redmi 2: não precisa ter medo do smartphone chinês

Configuração intermediária, tela HD, câmera de qualidade e bateria duradoura são algumas das vantagens desse telefone

Prós
  • Tela HD
  • Câmera traseira faz belas imagens
  • Sistema fluido e intuitivo
  • 4G nos dois slots para chip SIM
Contras
  • Pouco espaço de armazenamento interno
  • Não acompanha fone de ouvido na embalagem
  • Android desatualizado

Quando você escuta as palavras ?smartphone chinês? unidas, rola um certo preconceito, certo? É inegável que depois de tantos anos vendo telefones falsificados, os famosos xing-lings, sendo vendidos nas galerias repletas de orientais, não haja uma certa resistência ao ver uma fabricante chinesa chegando ao mercado nacional. Mas a Xiaomi, ou simplesmente Mi, como eles preferem ser chamados por aqui, quer acabar com esse estigma. A terceira maior distribuidora de smartphones no mundo traz ao Brasil o Redmi 2, um modelo intermediário que tem como destaque suporte a 4G em ambos os slots (o modelo é dual chip), câmera competente e a boa duração de bateria. Vamos conferir tudo isso nos parágrafos abaixo. O Redmi 2 conta com um processador quad-core Qualcomm Snapdragon 410 de 1,2 GHz, arquitetura 64-bit (o que permite processar mais informações ao mesmo tempo), 1 GB de RAM (pouco para os padrões atuais) e GPU Adreno 306. No geral, o 1 GB de RAM não altera muito o desempenho final, principalmente se compararmos ao Zenfone 5, que já possui 2 GB.

Sistema, desempenho e benchmarks

O Android que vem embarcado no smartphone chinês ainda é o KitKat 4.4.4, o que pode gerar certa instabilidade com alguns aplicativos. Mas o que chama a atenção ao bater o olho no visual dos ícones e menus é a cara de iOS que o MIUI tem. Sim, esse é o nome do sistema que customiza todo o Android do Redmi 2. Aliás, segundo a Xiaomi, esse sistema já foi instalado em mais de 100 milhões de aparelhos Android. Tudo é bem fluído, desde a transição entre as telas, até abrir e fechar aplicativos. Para quem está acostumado com um menu, aqui não tem. Todos os programas ficam dispostos nas telas iniciais, assim como no iOS. É possível ainda organizar os ícones dentro de pastas. Um detalhe interessante fica na organização dos apps. Basta fazer o movimento de pinça, segurar o ícone com um dos dedos e deslizar as telas com outro dedo. Dá para fazer com vários ao mesmo tempo também. Isso também serve para excluir os programas. A diferença fica por conta da animação, que explode os ícones ao desinstalá-los. Nesse quesito, tudo o que esperávamos de um smartphone com configuração intermediária nós encontramos. Seja com aplicativos leves, redes sociais, câmera, vídeos em alta definição e navegação na internet, não notamos qualquer engasgo. Tudo fluiu numa boa. Só mesmo quando vários aplicativos estavam abertos ao mesmo tempo, que notamos alguns tropeços. Com os games, os bons resultados continuaram. Rodamos desde os mais simples como Angry Birds e Subway Surfers até os mais exigentes como Modern Combat 5 e Real Racing 3. Claro que nos dois últimos jogos pudemos notar gráficos mais reduzidos para não prejudicar a jogabilidade, mas a experiência foi satisfatória. O problema foi quando tínhamos muitos apps abertos em segundo plano. Os engasgos nos games exigentes foram mais intensos, chegando até encerrar a aplicação. Como de costume, rodamos alguns benchmarks sintéticos que geram números absolutos e ajudam na comparação entre os aparelhos. Instalamos quatro programas: Antutu, Quadrant, 3DMark e PCMark. No Antutu, que mede o processamento aritmético e gráfico, o Redmi 2 marcou 20440 pontos. No Quadrant, que mede a capacidade de processamento em aparelhos Android, o telefone atingiu 11793 pontos. No 3DMark, o processador gráfico foi estressado ao máximo e o smartphone chegou aos 2622 pontos no modo extreme e 4361 pontos no modo unlimited. Nesse último, o desempenho geral é analisado e mensurado (CPU, GPU e memória) e não há limites de taxa de atualização da tela. Já no PCMark, são realizados testes que mensuram o desempenho do telefone em atividades do dia-a-dia, como navegação, reprodução de vídeo, escrita em editores de texto e edição de imagens. O smartphone da Xiaomi anotou 2886 pontos. Claro que os números não mostram o real poder de processamento, mas já dão uma ideia e cumprem o papel de modelo intermediário.

Armazenamento, conectividade, tela e design

Infelizmente esse é um ponto bem negativo do Redmi 2. Dos 8 GB de armazenamento interno que acompanham o telefone, pouco mais de 4 GB estão livres para o usuário. O restante está ocupado pelo sistema operacional. Pelo menos, o slot para cartão microSD aceita modelos até 32 GB. No quesito de conectividade, citamos o principal destaque logo no início do texto. O suporte 4G nos dois slots. Mas além disso, o telefone conta com Wi-Fi n, Bluetooth 4.0, e GPS. Em nossos testes, a navegação funcionou direitinho. Com um painel IPS de 4,7 polegadas com resolução HD e densidade de 312 pontos por polegada, as imagens apresentadas na tela do Redmi 2 se mostraram ótimas, com boa qualidade de cores e amplo ângulo de visão. Claro que em ambientes com incidência direta de luz, os reflexos se fazem presentes e atrapalham um bocado. A tela ainda conta o vidro resistente a riscos e arranhões Dragontrail, da AGC. E mesmo não sendo o maior display do mercado, o usuário não terá do que reclamar principalmente na hora de digitar longos textos. O teclado é confortável e responde bem aos comandos, além de contar com o recurso Swype, aquele onde basta deslizar o dedo pelas letras e as palavras vão se formando. Ah, os botões do Android são sensíveis ao toque e ficam logo abaixo da tela. O problema é que não são retroiluminados, o que dificulta a visualização noturna. Você pode achar que por ser tratar de um telefone chinês, a construção física do Redmi 2 seria algo ruim. Mas é totalmente o oposto. Com apenas 133 gramas, o aparelho possui boa pegada, graças as bordas arredondadas. A traseira fosca possui resistência a marcas de digitais e gordura dos dedos. Ah, e ele nem é dos mais finos. São 9,4 milímetros de espessura, mas que não incomodam no bolso. Em seu corpo, pudemos encontrar entrada P2 para fones de ouvido (que, por sinal, não acompanham a embalagem - um erro grosseiro da Xiaomi) na parte superior, controle de volume e liga/desliga na lateral direita, microUSB e microfone na parte inferior, além de outro microfone, flash LED, câmera e alto-falante na traseira. A tampa, aliás, pode ser removida, dando acesso à bateria e aos slots para cartão microSD.

Câmeras e bateria

Equipado com uma câmera traseira de 8 megapixels, as fotos tiradas com o Redmi 2 surpreenderam e batem tranquilamente seus concorrentes, principalmente o Moto G de 2ª geração. Notamos boa nitidez, cores vibrantes e imagens de qualidade em ambientes bem iluminados. Já quando a luz fica mais escassa, claro que os ruídos aparecem, mas nada que incomode tanto. Nos recursos, é possível fotografar com HDR, gerando uma exposição um pouco maior do brilho, contraste e das cores, imagens sequenciais (com 20 fotos em apenas 2 segundos) e panorâmicas, aplicar alguns filtros ou regular a exposição e ISO manualmente. Os vídeos são gravados em resolução HD, mas a qualidade é inferior ao que vimos nas fotografias. Já a câmera frontal possui 2 megapixels e também grava vídeos em 720p. A qualidade das fotos aqui, claro, é reduzida. Portanto, não espere milagres. Um recurso interessante é o Modo Beautiful que identifica o rosto das pessoas, além de saber dizer se é um homem ou uma mulher e qual a idade. Em nossos testes, digamos que ele acertou graças a margem de erro de 2 ou 3 anos, para mais ou para menos. Com uma bateria de 2200 mAh, o Redmi 2, da Xiaomi, não decepcionou e se saiu muito bem em nossos testes. Em nosso procedimento padrão, tiramos 10 fotos, gravamos 5 minutos de vídeo HD, fizemos uma chamada telefônica de 30 minutos, navegamos na internet e redes sociais por 3 horas, visualizamos fotos e vídeos da galeria por 15 minutos, reproduzimos 1 hora de música no Spotify (com volume ajustado entre 60 e 70%), utilizamos o GPS por 30 minutos, jogamos por 20 minutos e assistimos um vídeo no YouTube por 10 minutos. Tiramos o aparelho da tomada às 8 da manhã e às 7 da noite ainda restavam 35%. É importante ressaltar que na maior parte do tempo utilizamos a rede Wi-Fi e o brilho da tela estava ajustado em 50%. Resumindo: o celular aguenta bem um dia de uso.

Conclusão
Para quem está com o pé atrás com o Redmi 2, apenas por ele ser um smartphone chinês, pode ficar tranquilo. Com boa construção física e acabamento, oferece uma boa pegada, além da ótima visualização em sua tela de 4,7 polegadas HD com tecnologia IPS, garantindo imagens mais belas. O sistema MIUI se assemelha visualmente ao iOS e é bastante intuitivo em seus comandos, inclusive com alguns recursos bacanas. O suporte ao 4G em ambos os slots para os chips permite maior flexibilidade ao usuário. E ainda tem a câmera traseira de 8 megapixels que produz boa imagens tanto em locais bem iluminados, quanto em ambientes noturnos. Os pequenos problemas estão no pouco espaço de armazenamento interno, a ausência de fone de ouvido que não acompanha a embalagem e a versão do Android, que ainda é a 4.4.4. A justificativa da Xiaomi é que o 1 GB de RAM não entregaria um bom resultado ao usuário com o Android 5.0. Então por que não oferecer 2 GB?
Matérias Relacionadas
10/10 Recomendo
+ de 1.000 pessoas ajudadas
10/10 Recomendo
+ de 1.000 pessoas ajudadas
10/10 Recomendo
+ de 1.000 pessoas ajudadas
10/10 Recomendo
+ de 1.000 pessoas ajudadas
8/10 Recomendo
+ de 1.000 pessoas ajudadas
Avaliação Geral98%Recomendam a compra
9/10Baseado em 57 avaliações
Aspectos Positivos
  • Duração da Bateria
  • Custo-Benefício
  • Display
  • Funções e Características
  • Durabilidade
  • Design
  • Facilidade de Uso
  • Câmera
Pontos de Atenção
  • Desempenho
Enviar sua Avaliação