Smartphone Quantum Fly
Ícone de Favorito

9/10 (Baseado em 4 avaliações)

Produto Indisponível

Avise-me quando chegar
Avaliação do Especialista
Prós
  • Acabamento moderno

  • Ótimo desempenho

  • Bateria com boa duração

Ler a avaliação completa
Carregando
Informações Básicas
TipoSmartphone
MarcaQuantum
ModeloFly
ChipsDual Chip
CoresAzul, Cinza, Rosa
Câmera
Câmera Traseira16.0
Câmera Frontal8.0
Tela
Tamanho da Tela5.2 polegadas
Tipo de TelaLCD
Resolução1920 x 1080
DefiniçãoFull HD
Hardware
ProcessadorMediaTek Helio X20
NúcleosDeca-Core (10 Núcleos)
Velocidade do Processador2.1
Memória Interna32
Memória RAM3
EntradasMicroSD
Software
Sistema OperacionalAndroid
VersãoMarshmallow
Características e Conectividade
Internet4G, Wi-Fi
RecursosBluetooth 4.1, Leitor de Impressão Digital
ProteçãoGorilla Glass 3
Bateria
Bateria3000
Dimensões
Largura73,5
Altura149,2
Profundidade7,5
Peso141
Por Colaborador em 06/09/2016
Quantum Fly é mais um smartphone competitivo da marca no Brasil

O modelo, que é o quarto lançamento da fabricante no país, conta com um acabamento moderno, além de um desempenho condizente com aparelhos de ponta

Prós
  • Acabamento moderno

  • Ótimo desempenho

  • Bateria com boa duração

Contras
  • Câmeras deixam a desejar se comparadas a seus principais concorrentes

Já faz um ano que a fabricante brasileira Quantum chegou ao país com o Quantum Go. O aparelho, que não inspirava muita confiança em um mercado repleto de marcas fortes, surpreendeu muitos e se mostrou um smartphone bem competitivo, com um belo desempenho e um acabamento minimalista. Agora, com o Quantum Fly, a marca busca atingir um segmento um pouco mais premium do que aquele buscado pelo irmão mais velho. Mas será que ele consegue? Confira mais detalhes em nosso review.

Já faz um ano que a fabricante brasileira Quantum chegou ao país com o Quantum Go. O aparelho, que não inspirava muita confiança em um mercado repleto de marcas fortes, surpreendeu muitos e se mostrou um smartphone bem competitivo, com um belo desempenho e um acabamento minimalista. Agora, com o Quantum Fly, a marca busca atingir um segmento um pouco mais premium do que aquele buscado pelo irmão mais velho. Mas será que ele consegue? Confira mais detalhes em nosso review.

Acabamento e tela

O quarto lançamento da Quantum traz um belo acabamento. Não que ele seja um primor em qualidade ou que traga materiais diferenciados, mas seu design é, sem dúvidas, muito bonito. Por fora, ele é inteiramente feito de plástico, mas a Quantum fez um belo trabalho com esse material, já que ele traz um aspecto que lembra acabamentos de alumínio. Sua lateral é também feita de plástico, mas um pouco mais resistente do que a sua traseira, que não é removível. É nas lateral esquerda, aliás, que encontramos a bandeja que aceita chips 4G do padrão nano SIM, além de cartões microSD de até 128 GB. Já na direita, encontramos os dois botões para ajuste de volume, além do power. Vale ainda ressaltar que não há botões físicos no aparelho e todas as funções de navegação foram transferidas para a interface interna do aparelho. Por ser um aparelho de apenas 5.2 polegadas - com 12,92 cm de altura por 7,35 cm de largura por apenas 0,75 cm de espessura -, o Quantum Fly entrega uma ótima ergonomia e com certeza é um bom aparelho para quem não gosta de smartphones tão grandes. A pegada do modelo é muito boa e é bem simples utilizá-lo com apenas uma das mãos, já que ele também não é tão pesado (141 gramas). Além dessas características mais básicas do acabamento, o smartphone também conta com alguns diferenciais. Na parte de cima da traseira, encontramos um pequeno quadrado, que é o leitor de digitais do aparelho. É possível cadastrar até 5 digitais e é bem simples utilizá-lo. O ponto negativo é que seu tempo de resposta não é tão bom quanto o de outros aparelhos que contam com o recurso, mas, mesmo assim, é um ponto diferenciado e que é útil em diversos momentos. Além disso, o Quantum Fly também conta com um LED de notificações, que fica à esquerda da câmera frontal. A tela, como dito, conta com 5.2 polegadas, é feita com o tradicional LCD e possui resolução Full HD (1920 x 1080 pixels). Apesar de não contar com a mesma qualidade outros displays, como os de AMOLED e de IPS, a tela do Quantum Fly não faz feio. Ela até perde um pouco de qualidade com pouca angulação, mas não é algo tão grave assim. No geral, as cores são bem brilhantes e vivas e é possível assistir a vídeos, séries e filmes com relativa qualidade na tela do Quantum Fly. O único ponto negativo é que ele facilmente reflete fontes de luz que estejam incidindo diretamente na tela do celular, o que pode incomodar em alguns momentos, como ao assistir a vídeos mais escuros. Para navegar na Internet ou em redes sociais, no entanto, a experiência é boa. A tela de 5.2 polegadas dá espaço suficiente para visualizar tudo com conforto e a taxa de brilho do display também é muito boa, já que não é necessário ajustá-la ao máximo para enxergar tudo com tranquilidade.

Desempenho e conectividade

O hardware do Quantum Fly é também um ponto bem interessante. Ele conta com um processador Mediatek Helio X20 de 64-Bit com 10 núcleos (isso mesmo, 10 núcleos). Mas não engane pela quantidade já que ele ainda possui desempenho inferior a alguns processadores mais de ponta, como o Samsung Exynos 8890 e o Snapdragon 820, produzido pela Qualcomm.

Mas há um detalhe nessa comparação. Quem entende um pouco mais sobre esse mundo da tecnologia sabe que os chips que comparamos com o Helio X20 estão presentes em smartphones de ponta. Então, no fim das contas, é bem interessante que a Quantum tenha colocado um chip com um ótimo desempenho em um smartphone que se encontra em uma categoria intermediária de preço.

Para fechar o conjunto, o Quantum Fly também conta com 3 GB de memória RAM (padrão LPDDR3) e sua GPU  é a Mali-T880 MP4 (780 MHz), que é suficiente para rodar jogos exigentes, como Mortal Kombat X. A fluidez é ótima e dá para jogar com boa qualidade. E o mesmo vale para navegação entre aplicativos, já que o novo smartphone da Quantum consegue abrir e fechar apps sem dificuldades.

Na parte de armazenamento, o Quantum Fly traz 32 GB de armazenamento, o que dá uma boa margem de uso antes de precisar inserir um cartão microSD no aparelho, que aceita chips de até 128 GB. De resto, ele possui o mesmo conjunto conectivo de outros smartphones, com Wi-Fi  802.11 b/g/b/ac, Bluetooth 4.1, GPS e Rádio FM integrado.

O hardware do Quantum Fly é também um ponto bem interessante. Ele conta com um processador Mediatek Helio X20 de 64-Bit com 10 núcleos (isso mesmo, 10 núcleos). Mas não engane pela quantidade já que ele ainda possui desempenho inferior a alguns processadores mais de ponta, como o Samsung Exynos 8890 e o Snapdragon 820, produzido pela Qualcomm.

Mas há um detalhe nessa comparação. Quem entende um pouco mais sobre esse mundo da tecnologia sabe que os chips que comparamos com o Helio X20 estão presentes em smartphones de ponta. Então, no fim das contas, é bem interessante que a Quantum tenha colocado um chip com um ótimo desempenho em um smartphone que se encontra em uma categoria intermediária de preço.

Para fechar o conjunto, o Quantum Fly também conta com 3 GB de memória RAM (padrão LPDDR3) e sua GPU  é a Mali-T880 MP4 (780 MHz), que é suficiente para rodar jogos exigentes, como Mortal Kombat X. A fluidez é ótima e dá para jogar com boa qualidade. E o mesmo vale para navegação entre aplicativos, já que o novo smartphone da Quantum consegue abrir e fechar apps sem dificuldades.

Na parte de armazenamento, o Quantum Fly traz 32 GB de armazenamento, o que dá uma boa margem de uso antes de precisar inserir um cartão microSD no aparelho, que aceita chips de até 128 GB. De resto, ele possui o mesmo conjunto conectivo de outros smartphones, com Wi-Fi  802.11 b/g/b/ac, Bluetooth 4.1, GPS e Rádio FM integrado.

Câmera e bateria

Com todos os pontos positivos, o único que deixa a desejar é o conjunto de câmeras. A traseira, com 16 MP, conta com abertura f/2.0 e é capaz de filmar em Full HD (1080p). Ele também conta com o sistema PDAF, produzido pela Sony e que busca trazer regulagem de foco mais rápida. Mas, na prática, as vantagens não são assim tão evidentes.

Nosso maior ponto de crítica, no entanto, é a qualidade das fotos. No geral, tanto as fotos quanto os vídeos ficam com um nível de cores ruim e a nitidez não é das melhores. Em ambientes abertos, até dá para arriscar fotos razoáveis, mas isso definitivamente não acontece em locais fechados, onde a qualidade das produções ficam limitadas.

Essa análise basicamente se estende quando o assunto é a câmera frontal. Ela conta com 8 MP e um ângulo de visão de 80 graus, além de flash para selfies. Os resultados são basicamente os mesmos da câmera principal: boas fotos com muita luz, mas nem tão boas assim quando o local está mais escuro.

Quanto aos recursos, o Quantum Fly não traz muitas opções. Além dos tradicionais HDR e foto panorâmica, o smartphone também conta com câmera lenta e a função PiP. O primeiro funciona muito bem, com boa fluidez dos movimentos mais lentos. Já o segundo é um tanto quanto questionável. Ele funciona com o seguinte princípio: enquanto você está apontando para um objeto com a câmera principal, ele abre uma pequena janela que permite com que você possa ver o que a frontal está reproduzindo. Com isso, você consegue captar imagens das duas fontes. Mas, convenhamos, não é algo que chama tanto a atenção.

Já a bateria é um pontos fortes do aparelho. Ela conta com 3000 mAh de carga e teve ótimo desempenho em nossos testes. Primeiramente, tiramos 10 fotos e fizemos um pequeno vídeo de 5 minutos. Após isso, visualizamos os resultados por 15 minutos. Em seguida, fizemos ligações por mais 30 minutos, rodamos por GPS por meia hora e jogamos por mais 20 minutos. Depois, exibimos vídeos no YouTube por 10 minutos e ouvimos algumas músicas por 1 hora. Teoricamente, ainda restavam mais 3 horas de navegação por portais e redes sociais. No fim, restavam 26% de bateria, um boa marca em comparação à media do mercado.

Com todos os pontos positivos, o único que deixa a desejar é o conjunto de câmeras. A traseira, com 16 MP, conta com abertura f/2.0 e é capaz de filmar em Full HD (1080p). Ele também conta com o sistema PDAF, produzido pela Sony e que busca trazer regulagem de foco mais rápida. Mas, na prática, as vantagens não são assim tão evidentes.

Nosso maior ponto de crítica, no entanto, é a qualidade das fotos. No geral, tanto as fotos quanto os vídeos ficam com um nível de cores ruim e a nitidez não é das melhores. Em ambientes abertos, até dá para arriscar fotos razoáveis, mas isso definitivamente não acontece em locais fechados, onde a qualidade das produções ficam limitadas.

Essa análise basicamente se estende quando o assunto é a câmera frontal. Ela conta com 8 MP e um ângulo de visão de 80 graus, além de flash para selfies. Os resultados são basicamente os mesmos da câmera principal: boas fotos com muita luz, mas nem tão boas assim quando o local está mais escuro.

Quanto aos recursos, o Quantum Fly não traz muitas opções. Além dos tradicionais HDR e foto panorâmica, o smartphone também conta com câmera lenta e a função PiP. O primeiro funciona muito bem, com boa fluidez dos movimentos mais lentos. Já o segundo é um tanto quanto questionável. Ele funciona com o seguinte princípio: enquanto você está apontando para um objeto com a câmera principal, ele abre uma pequena janela que permite com que você possa ver o que a frontal está reproduzindo. Com isso, você consegue captar imagens das duas fontes. Mas, convenhamos, não é algo que chama tanto a atenção.

Já a bateria é um pontos fortes do aparelho. Ela conta com 3000 mAh de carga e teve ótimo desempenho em nossos testes. Primeiramente, tiramos 10 fotos e fizemos um pequeno vídeo de 5 minutos. Após isso, visualizamos os resultados por 15 minutos. Em seguida, fizemos ligações por mais 30 minutos, rodamos por GPS por meia hora e jogamos por mais 20 minutos. Depois, exibimos vídeos no YouTube por 10 minutos e ouvimos algumas músicas por 1 hora. Teoricamente, ainda restavam mais 3 horas de navegação por portais e redes sociais. No fim, restavam 26% de bateria, um boa marca em comparação à media do mercado.

Conclusão

A Quantum, que já havia feito um excelente trabalho com o Quantum Go, continua forte no acirrado mercado de smartphones. O Quantum Fly chega ao público em uma faixa de preço um pouco acima de seu irmão mais velho, mas com características que o tornam uma escolha bastante atraente. Além de um acabamento muito bem feito - com destaque para a traseira que lembra metal e o corpo bastante fino - o novo lançamento da empresa brasileira também traz um processador bastante potente para sua categoria, além de uma bateria com boa duração.

O lado negativo é que seu conjunto de câmeras deixa a desejar e isso pode ser um fator decisivo para alguns consumidores, já que um dos seus principais concorrentes, o Moto G 4 Plus, conta com câmeras muito boas. Apesar disso, ele é um aparelho que entrega um conjunto bem completo e com certeza que não será uma má escolha caso você tenha um orçamento condizente com a categoria em que ele se encontra.

Matérias Relacionadas
10/10 Recomendo este produto
4/10 Não recomendo este produto
Verificado
10/10 Recomendo este produto
Verificado
10/10 Recomendo este produto
Avaliação Geral75%Recomendam a compra
9/10Baseado em 4 avaliações
Pontos de Atenção
  • Câmera
  • Custo-Benefício
  • Design
  • Display
  • Funções e Características
  • Facilidade de Uso
  • Durabilidade
Aspectos Negativos
  • Duração da Bateria
Enviar sua Avaliação