Ative o Buscapé te Protege GRÁTIS. Suas compras protegidas em até R$ 5mil pelo Buscapé te Protege.

Informações Básicas
TipoSmartphone
MarcaMotorola
LinhaMoto X
ModeloPlay XT1563 16GB
ChipsDual Chip
Câmera
Câmera Traseira21 Megapixels
Funções da CâmeraFilma em 4K, Flash Duplo, HDR, Modo Contínuo, Panorama, Slow Motion, Zoom de 4x
Câmera Frontal5.0 Megapixels Frontal
Tela
Tamanho da Tela5.5 polegadas
Tipo de TelaFull HD
Hardware
ProcessadorQualcomm Snapdragon 615
NúcleosOcta-Core (8 Núcleos)
Memória Interna16 GB
Memória RAM2 GB RAM
EntradasFone de Ouvido
Software
Sistema OperacionalAndroid
VersãoLollipop
Características e Conectividade
Internet4G, Wi-Fi
RecursosBluetooth 4.0, MP3 Player, NFC
ProteçãoRepelente à Água
Bateria
Bateria3630 mAh
Dimensões
Largura75 mm
Altura148 mm
Profundidade10,9 mm
Peso169 g
Por Colaborador em 23/09/2015
Com corpo que resiste à respingos e bateria de alta capacidade, o Moto X Play é a opção mais parruda além do Moto G

A Motorola criou o Moto X Play como variante de desempenho inferior ao Moto X de segunda geração, mas colocou bateria melhor e resistência a respingos

Prós
  • Bateria de grande autonomia

  • Câmera de boa qualidade

  • Pegada confortável e ergonômica

  • Android limpo de alterações

Contras
  • Acabamento é inferior ao modelo anterior

  • Tela TFT perdeu qualidade

A Motorola criou duas variantes do Moto X de segunda geração, com corpo renovado e mais recentes. O Moto X Play é uma das duas, com hardware mais simples que seu antecessor, só que melhorias muito grandes na bateria, câmera e na pegada, que agora está mais confortável do que antes. Descubra, nesta análise, se este pode ser seu próximo smartphone Android, ou o primeiro aparelho feito pela Motorola e que você coloca no bolso para levar para casa.

A Motorola criou duas variantes do Moto X de segunda geração, com corpo renovado e mais recentes. O Moto X Play é uma das duas, com hardware mais simples que seu antecessor, só que melhorias muito grandes na bateria, câmera e na pegada, que agora está mais confortável do que antes. Descubra, nesta análise, se este pode ser seu próximo smartphone Android, ou o primeiro aparelho feito pela Motorola e que você coloca no bolso para levar para casa.

Características físicas e experiência de uso

O acabamento das bordas do Moto X era de metal e, agora neste modelo, é de plástico. O plástico é bem rígido e firme, mas não tão belo como o material anterior. A parte traseira conta com textura áspera que lembra silicone, que ajuda na pegada. Na frente temos uma tela TFT LCD de 5.5 polegadas, com resolução de 1920 x 1080 pixels, densidade aproximada de 403 pixels por polegada e que ocupa mais ou menos 74% da frente do celular. A tela TFT, no lugar do AMOLED do modelo anterior, oferece contraste menor e reprodução de cores menos precisa. Ainda por aqui está a câmera frontal de 5 megapixels e os sensores para luz, e proximidade.

No lado direito estão os botões de controle de volume e o botão liga/desliga, com nada na extremidade oposta. Em cima fica a gaveta para os dois chips da operadora e o cartão microSD de até 128 GB. Abaixo está a entrada microUSB e mais nada. Atrás, a tampa da bateria é removível para trocar de cor, mas a bateria não pode ser acessada. Ela conta com 3.630mAh de capacidade, mais do que seus concorrentes (todos eles) e que permite o uso do aparelho por um dia e meio, sem reclamar de pouca energia. Atrás, além da bateria, está a câmera de 21 megapixels, dois LEDs para flash e mais nada. Os alto-falantes ficam na frente e reproduzem áudio em estéreo, mais envolvente do que falantes que ficam atrás.

Suas dimensões são de 14,8 centímetros de altura, por 7,5 centímetros de largura e 1,09 centímetro de espessura, tudo isso somado aos 169 gramas de peso total, que revelam um aparelho com boa pegada, mesmo para tela grande e que não oferece muito volume quando está em um bolso mais apertado. O teclado é virtual e tira ótimo proveito da tela grande, com teclas bem espaçadas e que podem ser utilizadas no modo Swype, que aumenta muito a velocidade de digitação.

O acabamento das bordas do Moto X era de metal e, agora neste modelo, é de plástico. O plástico é bem rígido e firme, mas não tão belo como o material anterior. A parte traseira conta com textura áspera que lembra silicone, que ajuda na pegada. Na frente temos uma tela TFT LCD de 5.5 polegadas, com resolução de 1920 x 1080 pixels, densidade aproximada de 403 pixels por polegada e que ocupa mais ou menos 74% da frente do celular. A tela TFT, no lugar do AMOLED do modelo anterior, oferece contraste menor e reprodução de cores menos precisa. Ainda por aqui está a câmera frontal de 5 megapixels e os sensores para luz, e proximidade.

No lado direito estão os botões de controle de volume e o botão liga/desliga, com nada na extremidade oposta. Em cima fica a gaveta para os dois chips da operadora e o cartão microSD de até 128 GB. Abaixo está a entrada microUSB e mais nada. Atrás, a tampa da bateria é removível para trocar de cor, mas a bateria não pode ser acessada. Ela conta com 3.630mAh de capacidade, mais do que seus concorrentes (todos eles) e que permite o uso do aparelho por um dia e meio, sem reclamar de pouca energia. Atrás, além da bateria, está a câmera de 21 megapixels, dois LEDs para flash e mais nada. Os alto-falantes ficam na frente e reproduzem áudio em estéreo, mais envolvente do que falantes que ficam atrás.

Suas dimensões são de 14,8 centímetros de altura, por 7,5 centímetros de largura e 1,09 centímetro de espessura, tudo isso somado aos 169 gramas de peso total, que revelam um aparelho com boa pegada, mesmo para tela grande e que não oferece muito volume quando está em um bolso mais apertado. O teclado é virtual e tira ótimo proveito da tela grande, com teclas bem espaçadas e que podem ser utilizadas no modo Swype, que aumenta muito a velocidade de digitação.

Características técnicas e desempenho

Por dentro, temos um processador Qualcomm MSM8939 Snapdragon 615 que roda oito núcleos, sendo quatro em 1.7 GHz e outros quatro em 1 GHz, todos de 64 bits. Junto disso há 2 GB de memória RAM, 16 GB de memória interna e GPU Adreno 405. Toda esta sopa de letrinhas resulta em um desempenho que faz tudo rodar sem qualquer engasgo, mesmo quando há até 5 aplicativos abertos ao mesmo tempo. Em jogos, testamos games como Real Racing 3 e Asphalt 8, que rodaram muito bem e com os gráficos no máximo, sem engasgo qualquer.

O Android que controla tudo isso está na versão 5.1.1 Lollipop, quase que sem alteração pela Motorola. O visual dele continua o mesmo que o Google criou, com fácil acesso aos menus, ícones com grande contraste e textos que são simples de entender. As únicas alterações da Motorola são alguns poucos apps, que adicionam ferramentas ao aparelho, como balançar duas vezes o smartphone para ligar os LEDs traseiros (função lanterna) ou virar duas vezes para ligar a câmera. Além disso, temos apps pré-instalados como Gmail, Google Maps, YouTube, Google Chrome e um pequeno editor de fotos e vídeos. O tocador de músicas lida bem com arquivos MP3, AAC+, WAV e WMA, enquanto o de vídeos, que é a própria galeria de fotos do Android, reproduz os formatos MP4, WMV e H.264 de alta definição, sem qualquer travamento.

Na parte de comunicações temos Wi-Fi 802.11 nos padrões a, b, g e n, com dual-band e roteador, Bluetooth 4.0 com A2DP e LE, GPS com A-GPS, NFC, rádio FM com suporte para RDS, 3G quadriband e 4G funcionando no Brasil, sem qualquer limitação de operadora.

Por dentro, temos um processador Qualcomm MSM8939 Snapdragon 615 que roda oito núcleos, sendo quatro em 1.7 GHz e outros quatro em 1 GHz, todos de 64 bits. Junto disso há 2 GB de memória RAM, 16 GB de memória interna e GPU Adreno 405. Toda esta sopa de letrinhas resulta em um desempenho que faz tudo rodar sem qualquer engasgo, mesmo quando há até 5 aplicativos abertos ao mesmo tempo. Em jogos, testamos games como Real Racing 3 e Asphalt 8, que rodaram muito bem e com os gráficos no máximo, sem engasgo qualquer.

O Android que controla tudo isso está na versão 5.1.1 Lollipop, quase que sem alteração pela Motorola. O visual dele continua o mesmo que o Google criou, com fácil acesso aos menus, ícones com grande contraste e textos que são simples de entender. As únicas alterações da Motorola são alguns poucos apps, que adicionam ferramentas ao aparelho, como balançar duas vezes o smartphone para ligar os LEDs traseiros (função lanterna) ou virar duas vezes para ligar a câmera. Além disso, temos apps pré-instalados como Gmail, Google Maps, YouTube, Google Chrome e um pequeno editor de fotos e vídeos. O tocador de músicas lida bem com arquivos MP3, AAC+, WAV e WMA, enquanto o de vídeos, que é a própria galeria de fotos do Android, reproduz os formatos MP4, WMV e H.264 de alta definição, sem qualquer travamento.

Na parte de comunicações temos Wi-Fi 802.11 nos padrões a, b, g e n, com dual-band e roteador, Bluetooth 4.0 com A2DP e LE, GPS com A-GPS, NFC, rádio FM com suporte para RDS, 3G quadriband e 4G funcionando no Brasil, sem qualquer limitação de operadora.

Acessórios e o que há na caixa

Como acessórios, é possível encontrar no mercado capas protetoras, películas para o vidro, cabos sobressalentes e até uma linha grande de periféricos que podem conversar com o aparelho, via Bluetooth, como teclados e caixas de som. Na caixa temos o celular, fone de ouvido, carregador de tomada que promete carregar 30% da bateria em 15 minutos, fone de ouvido e manual de instruções.

A Motorola oferece 12 meses de garantia.

Como acessórios, é possível encontrar no mercado capas protetoras, películas para o vidro, cabos sobressalentes e até uma linha grande de periféricos que podem conversar com o aparelho, via Bluetooth, como teclados e caixas de som. Na caixa temos o celular, fone de ouvido, carregador de tomada que promete carregar 30% da bateria em 15 minutos, fone de ouvido e manual de instruções.

A Motorola oferece 12 meses de garantia.

Conclusão

Se você busca um smartphone que não custa tanto para o bolso e ainda assim oferecer boa experiência de uso, aliada ao longo tempo que a bateria pode dar de uso, o Moto X Play pode ser uma ótima compra. Este modelo conta com bateria de maior autonomia do que todos os seus concorrentes, junto de câmera de alta qualidade e um Android que quase não foi tocado pela Motorola, mantendo toda a criação que o Google fez para o sistema operacional. Por outro lado, o acabamento perdeu o metal que estava na versão anterior e a tela TFT não é tão bonita como o AMOLED, que estava na linha Moto X até agora. Mesmo assim, considerando estes contras, vale a compra.

Matérias Relacionadas
10/10Recomendo este produto
6/10Recomendo este produto
10/10Recomendo este produto
10/10Recomendo este produto
8/10Recomendo este produto
Avaliação Geral98%Recomendam a compra
9/10Baseado em 104 avaliações
Aspectos Positivos
  • Câmera
  • Facilidade de Uso
  • Funções e Características
  • Duração da Bateria
  • Durabilidade
  • Design
  • Custo-Benefício
  • Display
Pontos de Atenção
  • Som
Enviar sua Avaliação