Buscapé
BuscapéNosso sistema detectou que você está usando um navegador desatualizado

Para uma melhor experiência usando o Buscapé, aconselhamos que atualize o seu navegador para a versão mais recente.
Agradecemos desde já sua compreensão.

Smartphones que contam com leitor de impressões digitais

Estes são os melhores smartphones equipados com leitores biométricos

  • Por: da Redação Buscapéda Redação Buscapé17/10/2016
  • 17/10/2016

A impressão digital está presente no mundo de tecnologia faz tempo, mas só recentemente ela começou a aparecer em smartphones. Com objetivo de autenticar o usuário com mais rapidez e, junto disso, aumentar a segurança dos celulares, fica quase impossível não utilizar o leitor que está lá, ao alcance do dedo. Listamos os melhores aparelhos com leitores biométricos e também para que ele serve, de fato.

O que é o leitor de impressões digitais?

Pode parecer que é novidade, mas os leitores de impressões digitais, ou leitores biométricos, apareceram nos computadores e em alguns smartphones mais antigos, como é o caso do Atrix, da Motorola. O leitor exigia que você passasse o dedo raspando em uma superfície lisa, escura e ela era capaz de capturar todo o desenho da digital do dedo utilizado. O problema é que este tipo de leitor exige o dedo mais limpo, que passe em baixa velocidade e que ainda respeite a orientação do leitor. Se ele foi registrado com o celular de pé, é necessário passar o dedo de pé. Isso abre porta para algumas falhas na leitura, algo bem comum.

Tudo começou a mudar com a chegada do iPhone 5s e o Touch ID. O leitor ainda lê de forma semelhante, mas agora ele não exige mais que o usuário coloque o dedo exatamente na mesma orientação que utilizou na hora do cadastro. Outra novidade é que a leitura é muito mais veloz, liberando o celular logo de cara. Esta funcionalidade, em seu lançamento, ainda era utilizada apenas para liberar o celular, mas hoje já há aplicação para liberar o pagamento via aproximação do smartphone, substituir autenticação em alguns aplicativos de banco e até trocar a senha de algum site ou programa, pela digital. Esta mudança torna tudo mais fácil e rápido, além de ser mais seguro.

Veja os preços

Como funcionam os leitores?

O leitor biométrico que está presente em quase que todos os smartphones produzidos nos últimos dois anos é chamado de leitor capacitivo. Ele utiliza uma pequena placa que agrupa centenas de pequeninos capacitores e que armazenam energia. O toque do dedo faz com que o campo elétrico mude nos locais onde o dedo encosta de fato, mudando muito pouco ou quase nada na parte da impressão que fica mais distante. Imagine que a impressão é feita de uma série de vales e montanhas. As montanhas encostam na placa e alteram a energia do capacitor, enquanto os vales ficam distante da placa e a energia quase que não é alterada.

Um controlador então analisa essas mudanças de energia e monta um mapa da digital que está em seu dedo. A segurança é maior neste tipo de leitor, já que ele apenas consegue interagir com alguns materiais, como a própria pele e não em próteses.

Há ainda um novo formato de leitor, que utiliza ultrassom para ler a digital do usuário e enviar os dados para o controlador. Este tipo de leitor ainda está em testes e deve aparecer nos smartphones que ainda serão lançados num futuro próximo. A natureza deste novo leitor faz todo o processo ainda mais seguro, já que o ultrassom cria um mapa em 3D de sua digital e que adiciona não somente as montanhas e vales, mas também poros e outros detalhes da pele.

Veja os preços

Smartphone Apple iPhone 6S 64GB

  • Chips: Single Chip
  • Câmera Traseira: 12.0 Megapixels
  • Tamanho da Tela: 4.7 polegadas

Novos a partir de:

R$ Consulte

Em quais aparelhos posso encontrar?

Hoje o leitor está presente até em celulares mais simples e não tão caros, como é o caso do Moto G4 Plus ou no Lenovo Vibe A7010. Modelos mais caros estão quase que todos com o recurso, como todos os iPhones a partir do iPhone 5S, o Galaxy S6, S7, Note 5, Xperia Z5, Xperia X, XZ e também o LG G5 SE. Todos compartilham de basicamente a mesma posição e velocidade de leitura das digitais. Algumas mudanças acontecem por aqui e ali. O mais veloz de todos é o leitor que está no iPhone 6S, que é capaz de ler em menos de meio segundo e já liberar o aparelho.

Os modelos mais caros continuam mais velozes, mas o Moto G4 Plus tem um extra bem bacana, junto do G5 SE, que é a leitura durante todo o tempo. Isso significa que você não precisa ligar a tela para depois ler a digital. Basta encostar o dedo no leitor e pronto, a tela é desbloqueada antes mesmo de qualquer toque em qualquer botão do celular. Por enquanto, este é um recurso exclusivo dos Androids e não está presente em nenhum iPhone ou iPad.

Veja os preços

Smartphone Motorola Moto G 4 Plus XT1640

  • Chips: Dual Chip
  • Câmera Traseira: 16.0 Megapixels
  • Tamanho da Tela: 5.5 polegadas

Novos a partir de:

R$ 1.014,99

Onde o leitor fica?

Existem três posições em que é possível encontrar leitores biométricos. A primeira e mais comum está na traseira, que fica no mesmo lugar onde você já deixaria o indicador pousado. Basta colocar o dedo no quadrado e pronto.

A segunda posição, menos comum nos Androids e que é onde fica em todos os iPhones e iPads, é na frente. Esta posição é a mais confortável para quando o smartphone está em uma mesa lisa, já que você não precisa levantar o aparelho para ler o dedo. Basta deixar no leitor e pronto. A última e menos comum é exclusiva dos dispositivos da Sony, em sua linha Xperia. Nestes modelos todos os leitores ficam na lateral, no local onde o dedão costuma ficar.

Esta é a posição menos confortável, já que você precisa fazer mais esforço para posicionar o dedo acima do leitor e, em algumas vezes, levantar um pouco o celular. Este é o leitor que tende a dar mais problema na identificação, já que é o mais estreito de todos.

Veja os preços

Smartphone LG G5 SE H840

  • Câmera Traseira: 16.0 Megapixels
  • Tamanho da Tela: 5.3 polegadas
  • Sistema Operacional: Android

Novos a partir de:

R$ 1.929,00
  • #impressões digitais

Mat�rias Relacionadas