Buscapé
BuscapéNosso sistema detectou que você está usando um navegador desatualizado

Para uma melhor experiência usando o Buscapé, aconselhamos que atualize o seu navegador para a versão mais recente.
Agradecemos desde já sua compreensão.

Pro Evolution Soccer 2018 - review

Um dos games mais populares de todos os tempos chega com algumas melhorias e segue divertido

  • Por: Renan FrizzoRenan Frizzo23/10/2017
  • 23/10/2017

Depois de alguns anos caminhando à sombra do FIFA, a franquia PES pode ter dado aquele respiro para voltar a ser forte novamente. Jogamos o Pro Evolution Soccer 2018 e vamos tecer alguns comentários nos parágrafos abaixo.

Evolução está no nome

A chegada do motor gráfico Fox Engine, presente em Metal Gear Solid V, ajuda bastante. O jogo deixou de lado a correria desenfreada e adotou um ritmo mais cadenciado, sem deixar a diversão de lado, ponto de destaque do game. Com isso, criar oportunidades ficou ainda mais fácil, já que os jogadores tem mais espaço em campo. Ou seja, se você é daqueles que curte ficar com a posse da bola e tem paciência até achar o momento certo, terá várias chances claras de gol.

O problema surge quando o jogador adentra a grande área. Porque o fator aleatório entra em ação, mesmo se a chance de gol for absurdamente clara, ou se você tiver ajeitado o corpo certinho para a batida. Ok, é normal jogadores na vida real perderem gols, mas parece que PES 2018 perdeu um pouco a mão nesse quesito.

Em compensação, se você for como eu que adora ir até a linha de fundo e cruzar a bola na área, saiba que essa é uma arma perigosíssima. E o velho problema dos goleiros rebatendo chutes nos pés dos atacantes ou em bolas defensáveis com tranquilidade, segue firme e forte, irritando os jogadores.

Cadê os times licenciados?

Tirando a grande bomba da transferência de Neymar, que era parte da capa com o time do Barcelona para o PSG, um detalhe que assombra a série PES é a questão do licenciamento dos times. Nesse caso, ponto para o Brasileirão, que traz os 20 times da primeira divisão com uniformes, escudos e jogadores licenciados (mas que fique claro que não são todos os jogadores).

No restante, alguns times times trazem o licenciamento, mas nenhuma liga por completo. É triste querer jogar com Manchester City, Real Madrid, Tottenham, Bayern de Munique e ter nomes e uniformes genéricos. Até é possível baixar patches da comunidade, mas é algo que exige trabalho e nem sempre tão simples de achar. Mas alguns clubes fecharam parcerias exclusivas com o PES 2018, como o Borussia Dortmund, Liverpool, Milan e o Arsenal, além do próprio Barcelona.

Um ponto forte do PES ainda é possuir o direito do maior torneio de clubes do mundo, a UEFA Champions League. Mas sem ter os principais clubes licenciados acaba diminuindo um pouco a emoção. Por último, a narração está bem melhor do que aquela feita às pressas para o PES 2017. Ainda assim, falta emoção e um pouco de carisma, algo que a dupla entrosada do FIFA traz há alguns anos.

  • #ps4
  • #xbox one
  • #PES 2018

Mat�rias Relacionadas