Ative o Buscapé te Protege GRÁTIS. Suas compras protegidas em até R$ 5mil pelo Buscapé te Protege.

Informações Básicas
MarcaApple
LinhaMacbook
ModeloMJY32
CaracterísticaNotebook
Tela e Vídeo
Tela12.0 polegadas
Tipo de DisplayLED IPS
Resolução2304 x 1440 Pixels
Placa de vídeoIntel HD Graphics
Modelo da Placa de Vídeo5300
Tipo de Placa de VídeoIntegrada
Processador e Memória
ProcessadorIntel Core M
Velocidade do Processador1.1 GHz
Memória Cache4 MB
Memória RAM8192 MB
Tecnologia da MemóriaLPDDR3
Armazenamento e Sistema
Capacidade do HD256 GB
Sistema OperacionalMac OS
Licença do Sistema OperacionalX Yosemite
Conexões e Bateria
ConectividadeBluetooth 4.0, Wi-Fi
Protocolos802.11 a/b/g/n
AlimentaçãoBivolt
Dimensões e Peso
Largura280,5 mm
Altura13,1 mm
Profundidade196,5 mm
Peso0,92 Kg
Por Colaborador em 04/11/2015
Excelentes melhorias fazem do novo Macbook um produto exemplo de engenharia

Mudanças por fora e por dentro agradaram bastante, mas apenas um ponto decepcionou: a única entrada é a Type-C

Prós
  • Processador silencioso, sem a presença de ventoinha

  • Teclado com sensor borboleta é muito melhor

  • Force Touch no Trackpad traz boas interações

  • Esse é o produto mais fino e mais leve desenvolvido pela Apple

Contras
  • Não há entrada USB convencional, apenas uma Type-C. 

Toda vez que a Apple lança um produto, todos correm para saber o que é. Em março, a Apple fazia a apresentação do Apple Watch e do novo Macbook, com tela de Retina. Fazia tempo que a maçã não anunciava tantas mudanças. Neste review, abordaremos apenas o segundo produto, o Macbook.

Para quem pensa que a única mudança foi a dita cuja tela de Retina, está muito enganado. O novo notebook da Apple traz melhorias não só interessantes, mas revolucionárias. E não é coisa de fanboy não. Acompanhe o review e entenda. 

Toda vez que a Apple lança um produto, todos correm para saber o que é. Em março, a Apple fazia a apresentação do Apple Watch e do novo Macbook, com tela de Retina. Fazia tempo que a maçã não anunciava tantas mudanças. Neste review, abordaremos apenas o segundo produto, o Macbook.

Para quem pensa que a única mudança foi a dita cuja tela de Retina, está muito enganado. O novo notebook da Apple traz melhorias não só interessantes, mas revolucionárias. E não é coisa de fanboy não. Acompanhe o review e entenda. 

Design, Tela e Acabamento

Recebemos a cor dourada para testes. No começo não foi apenas a cor que nos estranhou, mas também a finura do notebook. Ele tem apenas 3,5 mm na sua parte mais fina e 13,1 mm na mais grossa. Outro ponto diferencial é o peso: 0,92 kg. É o aparelho mais fino e mais leve desenvolvido pela Apple.

Tudo isso é muito bonito, muito legal, mas faz com que os engenheiros tenham que sacrificar algumas coisas. O que é bom por um lado e muito ruim por outro. Para ser tão fino, o teclado teve de passar por uma repaginação física e visual. Para o design as teclas estão 17% mais largas e 40% mais finas, e isso é muita coisa. Isso ocorre porque o teclado agora utiliza o “mecanismo borboleta”, nome dado pela Apple para um novo sensor, que cobre toda a parte interna da tecla e faz com que o usuário digite mais rapidamente.

Outro sacrifício foram as entradas USB. Na verdade, agora é apenas uma entrada e não é a convencional. A Apple adotou a Type-C, que falaremos no tópico de Conectividade. A tela Retina de 12 polegadas também é mais bem aproveitada, as bordas são bem menores e a qualidade das imagens é incontestavel, com a resolução 2304 x 1440, sendo a melhor do segmento.

O trackpad ficou maior e mais eficiente com o Force Touch, que possibilita boas interações entre o usuario e o notebook, como, por exemplo, marcar eventos no calendario com apenas um toque mais forte no trackpad.

Em dimensões, o Macbook tem 28,05 cm de largura e 19,65 cm de comprimento. Você já percebeu que a paixão desse produto é a portabilidade. O revestimento do Macbook é de alumínio, isso porque é muito mais leve que alguns metais, mas ele não é frágil, ele apenas parece por seu tamanho compacto. É claro que deve-se tomar certo cuidado, afinal pela proximidade de seus equipamentos internos, qualquer queda mais grave pode danificar o produto.

Recebemos a cor dourada para testes. No começo não foi apenas a cor que nos estranhou, mas também a finura do notebook. Ele tem apenas 3,5 mm na sua parte mais fina e 13,1 mm na mais grossa. Outro ponto diferencial é o peso: 0,92 kg. É o aparelho mais fino e mais leve desenvolvido pela Apple.

Tudo isso é muito bonito, muito legal, mas faz com que os engenheiros tenham que sacrificar algumas coisas. O que é bom por um lado e muito ruim por outro. Para ser tão fino, o teclado teve de passar por uma repaginação física e visual. Para o design as teclas estão 17% mais largas e 40% mais finas, e isso é muita coisa. Isso ocorre porque o teclado agora utiliza o “mecanismo borboleta”, nome dado pela Apple para um novo sensor, que cobre toda a parte interna da tecla e faz com que o usuário digite mais rapidamente.

Outro sacrifício foram as entradas USB. Na verdade, agora é apenas uma entrada e não é a convencional. A Apple adotou a Type-C, que falaremos no tópico de Conectividade. A tela Retina de 12 polegadas também é mais bem aproveitada, as bordas são bem menores e a qualidade das imagens é incontestavel, com a resolução 2304 x 1440, sendo a melhor do segmento.

O trackpad ficou maior e mais eficiente com o Force Touch, que possibilita boas interações entre o usuario e o notebook, como, por exemplo, marcar eventos no calendario com apenas um toque mais forte no trackpad.

Em dimensões, o Macbook tem 28,05 cm de largura e 19,65 cm de comprimento. Você já percebeu que a paixão desse produto é a portabilidade. O revestimento do Macbook é de alumínio, isso porque é muito mais leve que alguns metais, mas ele não é frágil, ele apenas parece por seu tamanho compacto. É claro que deve-se tomar certo cuidado, afinal pela proximidade de seus equipamentos internos, qualquer queda mais grave pode danificar o produto.

Conectividade e Desempenho

Em conectividade a Apple cometeu um pecado. É uma polêmica: o que acontece é que, evidentemente, para produzir um notebook com a finura do Macbook, a Apple teve de retirar algumas (muitas) entradas. Só há uma. E ela é Type-C ou USB 3.1, que é 3 vezes mais rápida e pode ser conectada dos dois lados. Na prática, o que acontece é que, se você quiser plugar um USB 2.0 ou 3.0, por exemplo, precisará de um adaptador. Ou você pode comprar os pen drives novos que são tipo C.

Eu me incomodei? Sim. O fato é que o adaptador custa caro e o Macbook também. Inevitavelmente, você precisará de um. No futuro isso não será ruim, a Apple, então, se adiantou ao processo, mas por enquanto, poucas pessoas possuem essa nova entrada. Portanto, ponto negativo para a Apple.

É claro que um notebook dessa finura não iria ter um desempenho de topo de linha. Acontece que o chip Intel Core M é interessante para os usuários que utilizam os notebooks para escrever textos, fazer apresentações, ver filmes, esporadicamente editar vídeos (com paciência) e outras tarefas básicas. A memória SSD de 256 GB (podendo ser de 512 GB na versão mais cara) garante um ótimo desempenho, principalmente na inicialização, que leva em torno de 4 segundos.

Em suma: é para o usuário que busca portabilidade. Não adianta pedir para jogar num notebook como esse. Nos nossos testes, o problema mesmo foi a edição de vídeos. Editando um arquivo no iMovie, por exemplo, notamos que demora para abrir alguns videos e animações. Chegou até a travar de vez em certo momento. Nas outras aplicações básicas, o processador do Macbook de 1,1 GHz (Turbo Boost aumenta o clock do processador para 2,4 GHz) com 4 MB de cachê L3, se comporta muito bem, inclusive para dividir a tela e realizar duas tarefas ao mesmo tempo.

O Macbook gera apenas 5W de calor, o que possibilitou a Apple a tirar a ventoinha e, mesmo assim, o computador não esquenta. A GPU Integrada HD 5300 também prioriza isso, tanto é verdade que aplicações pesadas não rodam satisfatoriamente. Até mesmo a memória RAM padrão LPDDR3 de 8 GB é voltada para esse meio. Evidente que o desempenho, então, ficaria em segundo plano.

Em conectividade a Apple cometeu um pecado. É uma polêmica: o que acontece é que, evidentemente, para produzir um notebook com a finura do Macbook, a Apple teve de retirar algumas (muitas) entradas. Só há uma. E ela é Type-C ou USB 3.1, que é 3 vezes mais rápida e pode ser conectada dos dois lados. Na prática, o que acontece é que, se você quiser plugar um USB 2.0 ou 3.0, por exemplo, precisará de um adaptador. Ou você pode comprar os pen drives novos que são tipo C.

Eu me incomodei? Sim. O fato é que o adaptador custa caro e o Macbook também. Inevitavelmente, você precisará de um. No futuro isso não será ruim, a Apple, então, se adiantou ao processo, mas por enquanto, poucas pessoas possuem essa nova entrada. Portanto, ponto negativo para a Apple.

É claro que um notebook dessa finura não iria ter um desempenho de topo de linha. Acontece que o chip Intel Core M é interessante para os usuários que utilizam os notebooks para escrever textos, fazer apresentações, ver filmes, esporadicamente editar vídeos (com paciência) e outras tarefas básicas. A memória SSD de 256 GB (podendo ser de 512 GB na versão mais cara) garante um ótimo desempenho, principalmente na inicialização, que leva em torno de 4 segundos.

Em suma: é para o usuário que busca portabilidade. Não adianta pedir para jogar num notebook como esse. Nos nossos testes, o problema mesmo foi a edição de vídeos. Editando um arquivo no iMovie, por exemplo, notamos que demora para abrir alguns videos e animações. Chegou até a travar de vez em certo momento. Nas outras aplicações básicas, o processador do Macbook de 1,1 GHz (Turbo Boost aumenta o clock do processador para 2,4 GHz) com 4 MB de cachê L3, se comporta muito bem, inclusive para dividir a tela e realizar duas tarefas ao mesmo tempo.

O Macbook gera apenas 5W de calor, o que possibilitou a Apple a tirar a ventoinha e, mesmo assim, o computador não esquenta. A GPU Integrada HD 5300 também prioriza isso, tanto é verdade que aplicações pesadas não rodam satisfatoriamente. Até mesmo a memória RAM padrão LPDDR3 de 8 GB é voltada para esse meio. Evidente que o desempenho, então, ficaria em segundo plano.

Câmera, Áudio e bateria

A câmera é outro ponto que muitos discutiram sobre o Macbook, mas não muda nada, já que a principal finalidade dela para um notebook são as videoconferências. Tá, a resolução de 480p é ruim? É. Mas dá pra fazer boas video chamadas e é isso que conta.

O som do Macbook é interessantíssimo. O alto-falante estéreo é muito poderoso, tanto que é possível ouvir com perfeição mesmo em ambientes relativamente barulhentos. Os agudos e médios se saem melhor do que os graves, mas ainda sim assistir filmes é bastante confortável e ouvir músicas também.

Segundo a Apple, o Macbook teria uma autonomia de bateria de 9 horas. Entretanto, é claro, nos nossos testes, a bateria se mostrou menos poderosa do que a marca dizia. Retirei o Macbook da tomada às 9h30 e realizei diversas tarefas cotidianas, tais como escrever o review, navegar na internet, assistir a alguns videos e fazer testes de alguns aplicativos, terminando o teste praticamente no final do expediente, às 16 horas, e restava 5% da carga. Ou seja, a bateria não dura as 9 horas prometidas, mas possui uma autonomia interessante, até maior do que de alguns concorrentes, como o ATIV Book, que aguenta pouco mais de 5 horas e meia.

A câmera é outro ponto que muitos discutiram sobre o Macbook, mas não muda nada, já que a principal finalidade dela para um notebook são as videoconferências. Tá, a resolução de 480p é ruim? É. Mas dá pra fazer boas video chamadas e é isso que conta.

O som do Macbook é interessantíssimo. O alto-falante estéreo é muito poderoso, tanto que é possível ouvir com perfeição mesmo em ambientes relativamente barulhentos. Os agudos e médios se saem melhor do que os graves, mas ainda sim assistir filmes é bastante confortável e ouvir músicas também.

Segundo a Apple, o Macbook teria uma autonomia de bateria de 9 horas. Entretanto, é claro, nos nossos testes, a bateria se mostrou menos poderosa do que a marca dizia. Retirei o Macbook da tomada às 9h30 e realizei diversas tarefas cotidianas, tais como escrever o review, navegar na internet, assistir a alguns videos e fazer testes de alguns aplicativos, terminando o teste praticamente no final do expediente, às 16 horas, e restava 5% da carga. Ou seja, a bateria não dura as 9 horas prometidas, mas possui uma autonomia interessante, até maior do que de alguns concorrentes, como o ATIV Book, que aguenta pouco mais de 5 horas e meia.

Conclusão

É difícil cravar com toda a certeza se esse Macbook vale a pena ou não. Há avanços tecnológicos bastante interessantes, como o teclado borboleta, o Touchpad com Force Touch, a espessura mínima e o primeiro notebook da Apple a não possuir ventoinha. Entretanto, como um notebook casual, já que o processador é voltado para quem procura portabilidade e não desempenho,existem no mercado outras opções interessantes, com um custo benefício melhor, como, por exemplo, o Dell XPS 13, o ZenBook UX305 ou até mesmo o Macbook Air.

Além do custo beneficio quase nulo do Macbook, ele ainda possui apenas uma entrada Type-C, fazendo com que, inevitavelmente, você tenha de comprar um adaptador para os Pen Drives convencionais.

Afora isso, o desempenho do Macbook é muito bom, no que ele foi proposto a fazer, como tarefas cotidianas. Ele foi muito bem, não travou, é muito confortável levá-lo na bolsa e as tecnologias novas só trazem benefícios aos usuários. É claro que um modelo como esse - aliás, nenhum notebook ultrafino - não serve para jogar, apenas para aplicações leves. Edição de videos e fotos devem exigir paciência, mas, novamente, a proposta desse notebook é ser portátil e realizar tarefas cotidianas. 

Matérias Relacionadas
10/10Recomendo este produto
10/10Recomendo este produto
8/10Recomendo este produto
10/10Recomendo este produto
10/10Recomendo este produto
Avaliação Geral100%Recomendam a compra
9/10Baseado em 5 avaliações
Aspectos Positivos
  • Duração da Bateria
  • Qualidade da Imagem
  • Design
  • Desempenho
Pontos de Atenção
  • Portabilidade
Aspectos Negativos
  • Custo-Benefício
  • Compatibilidade
Enviar sua Avaliação