Buscapé

Nosso sistema detectou que você está usando um navegador desatualizado

Para uma melhor experiência usando o Buscapé, aconselhamos que atualize o seu navegador para a versão mais recente.
Agradecemos desde já sua compreensão.

Navegue logado e tenha proteção em suas compras. O Buscapé te protege em até R$ 5 mil.

Smartphone Motorola Moto G 4 Play XT1603
Ícone de Favorito

Avaliação do Especialista

Moto G 4 Play é o mais básico da família, mas faz bonito

Prós

  • Bom desempenho

  • Bateria duradoura (mais o rápido carregamento)

  • Tela com ótimas imagens

Ler a avaliação completa
  • Ver histórico:
Achou caro?
Crie um alerta de preço que a gente avisa você!
Maior preço registrado:R$ 994,98
Menor preço registrado:R$ 558,02
Me avise quando o preço chegar em:
0%
0%
100%
Arraste a barra para controlar o valor do pedido
Informações Básicas
TipoSmartphone
MarcaMotorola
LinhaMoto G
Modelo4 Play XT1603
ChipsDual Chip
Câmera
Câmera Traseira8.0 Megapixels
Funções da CâmeraAuto HDR
Câmera Frontal5.0 Megapixels Frontal
Funções Câmera FrontalFlash da Tela
Tela
Tamanho da Tela5.0 polegadas
Resolução1280 X 720 Pixels
DefiniçãoHD
Hardware
ProcessadorQualcomm Snapdragon 410
NúcleosQuad-Core (4 Núcleos)
Velocidade do Processador1.2 GHz
Memória Interna16 GB
Memória RAM2 GB RAM
EntradasFone de Ouvido
Software
Sistema OperacionalAndroid
VersãoMarshmallow
Características e Conectividade
Internet4G
RecursosBluetooth 4.1
ProteçãoNanorrevestimento à Prova D'Água
Bateria
Bateria2800 mAh
Dimensões
Largura72 mm
Altura144,4 mm
Profundidade9,9 mm
Peso137 g
Por Colaborador em 25/08/2016

Moto G 4 Play é o mais básico da família, mas faz bonito

Smartphone traz 2 GB de RAM, boa autonomia de bateria e visor com ótimas imagens

Prós

  • Bom desempenho

  • Bateria duradoura (mais o rápido carregamento)

  • Tela com ótimas imagens

Contras

  • Câmera deixa a desejar em baixa luminosidade

  • Quase todos os recursos do Moto Ações foram limados

Quando a Lenovo trouxe a nova linha de smartphones G 4, três modelos foram apresentados aos consumidores. Nós já testamos o Moto G 4 e o Moto G 4 Plus, dois aparelhos mais poderosos. Buscando atingir uma faixa mais popular, eis que chega às nossas mãos o Moto G 4 Play, um celular humilde de configurações, mas que conta com 2 GB de RAM, tela em alta definição e bateria com alta duração. Confira todos os detalhes nos parágrafos abaixo.

Quando a Lenovo trouxe a nova linha de smartphones G 4, três modelos foram apresentados aos consumidores. Nós já testamos o Moto G 4 e o Moto G 4 Plus, dois aparelhos mais poderosos. Buscando atingir uma faixa mais popular, eis que chega às nossas mãos o Moto G 4 Play, um celular humilde de configurações, mas que conta com 2 GB de RAM, tela em alta definição e bateria com alta duração. Confira todos os detalhes nos parágrafos abaixo.

Especificações, desempenho e benchmarks

Mesmo com tantos celulares utilizando chips mais potentes (e também mais novos), o G 4 Play ainda aposta no Snapdragon 410 (quad-core de 1,2 GHz). A diferença aqui é a presença dos 2 GB de RAM, que garante maior fluidez na execução de tarefas, seja na transição entre menus, telas ou aplicativos. O Android embarcado é o 6.0.1 (Marshmallow) e não traz customizações, o que ajuda ainda mais nessa boa experiência.

Durante nossos testes, o desempenho desse Moto nos deixou bastante satisfeitos. Seja com muitos apps abertos (deixamos mais de 15 em segundo plano e não sentimos nenhuma queda na performance), ao abrir, fechar ou transitar entre eles ou durante a jogatina. Com games casuais, como Fruit Ninja e Subway Surfers, tudo rolou numa boa. Com os mais pesados, como Real Racing 3 e Mortal Kombat X, é possível notar uma diminuição leve na qualidade dos gráficos por uma melhor jogabilidade. Mesmo assim, o resultado é ótimo.

Claro que não deixamos de rodamos os testes com benchmarks sintéticos, que geram resultados absolutos e ajudam na comparação entre os smartphones. Utilizamos os quatro programas de sempre: Antutu, Quadrant, 3DMark e PCMark.

No primeiro, que mede o processamento aritmético e gráfico, o G 4 Play marcou apenas 28952 pontos. No Quadrant, que mede a capacidade de processamento em aparelhos Android, o telefone chegou aos 14072 pontos. No terceiro teste, o processador gráfico foi estressado ao máximo e o celular atingiu 2560 pontos no modo extreme e 4426 pontos no modo unlimited. Nesse último, o desempenho geral é analisado e mensurado (CPU, GPU e memória) e não há limites de taxa de atualização da tela.

Já no PCMark, são realizados testes que mensuram o desempenho do telefone em atividades cotidianos do dia-a-dia, como navegação, reprodução de vídeo, escrita em editores de texto e edição de imagens. O modelo da Lenovo anotou 4111 pontos.

Sabemos que os números não indicam o real poder de processamento do smartphone, mas é possível ter uma noção que estamos falando de um telefone básico.

Mesmo com tantos celulares utilizando chips mais potentes (e também mais novos), o G 4 Play ainda aposta no Snapdragon 410 (quad-core de 1,2 GHz). A diferença aqui é a presença dos 2 GB de RAM, que garante maior fluidez na execução de tarefas, seja na transição entre menus, telas ou aplicativos. O Android embarcado é o 6.0.1 (Marshmallow) e não traz customizações, o que ajuda ainda mais nessa boa experiência.

Durante nossos testes, o desempenho desse Moto nos deixou bastante satisfeitos. Seja com muitos apps abertos (deixamos mais de 15 em segundo plano e não sentimos nenhuma queda na performance), ao abrir, fechar ou transitar entre eles ou durante a jogatina. Com games casuais, como Fruit Ninja e Subway Surfers, tudo rolou numa boa. Com os mais pesados, como Real Racing 3 e Mortal Kombat X, é possível notar uma diminuição leve na qualidade dos gráficos por uma melhor jogabilidade. Mesmo assim, o resultado é ótimo.

Claro que não deixamos de rodamos os testes com benchmarks sintéticos, que geram resultados absolutos e ajudam na comparação entre os smartphones. Utilizamos os quatro programas de sempre: Antutu, Quadrant, 3DMark e PCMark.

No primeiro, que mede o processamento aritmético e gráfico, o G 4 Play marcou apenas 28952 pontos. No Quadrant, que mede a capacidade de processamento em aparelhos Android, o telefone chegou aos 14072 pontos. No terceiro teste, o processador gráfico foi estressado ao máximo e o celular atingiu 2560 pontos no modo extreme e 4426 pontos no modo unlimited. Nesse último, o desempenho geral é analisado e mensurado (CPU, GPU e memória) e não há limites de taxa de atualização da tela.

Já no PCMark, são realizados testes que mensuram o desempenho do telefone em atividades cotidianos do dia-a-dia, como navegação, reprodução de vídeo, escrita em editores de texto e edição de imagens. O modelo da Lenovo anotou 4111 pontos.

Sabemos que os números não indicam o real poder de processamento do smartphone, mas é possível ter uma noção que estamos falando de um telefone básico.

Armazenamento, conectividade, tela e design

Bom, uma coisa é obrigação. Um celular Android (de entrada) tem que ter no mínimo 16 GB de armazenamento. E nisso o Moto G 4 Play não decepciona. Tudo bem que apenas 10,96 GB estão livres para uso, mas se isso não for suficiente, é possível inserir um cartão microSD de até 128 GB para guardar seus arquivos.

Nessa categoria é muito comum encontrarmos modelos dual-chip e foi exatamente o que encontramos. Claro que o 4G não poderia ficar de fora, muito menos as conexões básicas, como Wi-Fi 802.11n, GPS e Bluetooth 4.1. Outras presenças – e que me agradam bastante – são o rádio FM e a TV digital. Pena que no caso da TV o sinal ainda seja o 1seg, que traz baixa resolução e não aproveita a tela HD do G 4 Play.

E já que falamos nela, esse é um dos grandes destaques do smartphone de entrada da família Moto. A tela LCD de 5 polegadas conta com resolução de 1280 por 720 pixels e o ângulo de visão é amplo. As cores são vibrantes, com brilho e contraste bem equilibrados. Mas tome cuidado com luz incidindo na tela, pois nesse caso a visualização ficará bastante prejudicada.

Sobre o famoso Moto Ações, praticamente tudo foi limado aqui. Nem mesmo os movimentos para abrir a câmera e ativar a lanterna estão presentes. Pelo menos restou a Moto Tela, que avisa com ícones as notificações dos aplicativos. Ainda dá para diminuir o tamanho da tela para facilitar o manuseio em alguma situação específica.

Seguindo a linha da família G 4, o Play traz um corpo bastante semelhante aos seus irmãos, com bordas arredondadas e traseira texturizada, que oferece melhor pegada. O modelo que testamos (com TV digital) traz duas capinhas, nas cores roxa e preta. E marcas de dedos são bastante comuns na tela. A gordura fica bastante perceptível.

Suas bordas são plásticas na cor prateada (ou grafite) e na parte traseira a câmera e o flash são levemente protuberantes. Na lateral direita, temos o botão liga/desliga e controle de volume. Embaixo, o microUSB. Em cima, P2 para fone de ouvido. Na parte frontal, câmera, sensor de proximidade e luminosidade e alto-falante (que serve para ligações e para a multimídia). E para um celular com TV, o falante frontal é bacana, pois fica direcionado a você. E o áudio é bacana, mas com pouca qualidade.

Suas medidas? 14,4 cm de largura, 7,2 cm de altura e 0,99 centímetros de espessura. Peso? 137 gramas. Não vai incomodar nem no bolso, nem na mão.

Bom, uma coisa é obrigação. Um celular Android (de entrada) tem que ter no mínimo 16 GB de armazenamento. E nisso o Moto G 4 Play não decepciona. Tudo bem que apenas 10,96 GB estão livres para uso, mas se isso não for suficiente, é possível inserir um cartão microSD de até 128 GB para guardar seus arquivos.

Nessa categoria é muito comum encontrarmos modelos dual-chip e foi exatamente o que encontramos. Claro que o 4G não poderia ficar de fora, muito menos as conexões básicas, como Wi-Fi 802.11n, GPS e Bluetooth 4.1. Outras presenças – e que me agradam bastante – são o rádio FM e a TV digital. Pena que no caso da TV o sinal ainda seja o 1seg, que traz baixa resolução e não aproveita a tela HD do G 4 Play.

E já que falamos nela, esse é um dos grandes destaques do smartphone de entrada da família Moto. A tela LCD de 5 polegadas conta com resolução de 1280 por 720 pixels e o ângulo de visão é amplo. As cores são vibrantes, com brilho e contraste bem equilibrados. Mas tome cuidado com luz incidindo na tela, pois nesse caso a visualização ficará bastante prejudicada.

Sobre o famoso Moto Ações, praticamente tudo foi limado aqui. Nem mesmo os movimentos para abrir a câmera e ativar a lanterna estão presentes. Pelo menos restou a Moto Tela, que avisa com ícones as notificações dos aplicativos. Ainda dá para diminuir o tamanho da tela para facilitar o manuseio em alguma situação específica.

Seguindo a linha da família G 4, o Play traz um corpo bastante semelhante aos seus irmãos, com bordas arredondadas e traseira texturizada, que oferece melhor pegada. O modelo que testamos (com TV digital) traz duas capinhas, nas cores roxa e preta. E marcas de dedos são bastante comuns na tela. A gordura fica bastante perceptível.

Suas bordas são plásticas na cor prateada (ou grafite) e na parte traseira a câmera e o flash são levemente protuberantes. Na lateral direita, temos o botão liga/desliga e controle de volume. Embaixo, o microUSB. Em cima, P2 para fone de ouvido. Na parte frontal, câmera, sensor de proximidade e luminosidade e alto-falante (que serve para ligações e para a multimídia). E para um celular com TV, o falante frontal é bacana, pois fica direcionado a você. E o áudio é bacana, mas com pouca qualidade.

Suas medidas? 14,4 cm de largura, 7,2 cm de altura e 0,99 centímetros de espessura. Peso? 137 gramas. Não vai incomodar nem no bolso, nem na mão.

Câmeras e bateria

Diferente dos seus irmãos mais robustos que traziam alguns ajustes mais profissionais, o Moto G 4 Play é bem mais simples. Apontou, focou, fotografou. Por aqui, é possível ativar o HDR, temporizador, escolher a resolução e regular a exposição. Só.

Com 8 megapixels, fizemos alguns testes e as imagens em ambientes claros (luz do dia e escritório) se mostraram com boa qualidade, principalmente nas cores. O problema começa quando a luz começa a ficar escassa. Borrões e ruídos são mais perceptíveis, tanto nos cliques, quanto nos vídeos, além do foco ficar mais lento. E com a câmera principal, é possível gravar em full HD, mas pena que falta estabilização.

A frontal de 5 megapixels segue o mesmo principio. Boa com iluminação, mas deixa a desejar com pouca luz. Ah, e o flash traseiro quebra o galho apenas em objetos/pessoas próximas. Os vídeos também são capturados em full HD, sem estabilização.

E para quem busca um celular mais em conta e que tenha uma bateria que dure o dia inteiro, o Moto G 4 Play manda muito bem. Com 2800 mAh, o resultado foi extremamente positivo.

Fizemos nosso teste padrão (10 fotos, 5 minutos de gravação de vídeo, 15 minutos de visualização de fotos e vídeos, 3 horas de navegação [internet e redes sociais], 30 minutos de ligações, 30 minutos de GPS, 20 minutos de jogos e 10 minutos no YouTube) e ao finalizá-lo tínhamos 35% de carga restante. Pode usar numa boa que ele aguenta bem o tranco do dia a dia.

 

Mas se caso você utilizar bastante e precisar de uma recarga, graças à tecnologia de carregamento rápido, conseguimos sair dos 10% para os 100% de bateria em apenas uma hora.

Diferente dos seus irmãos mais robustos que traziam alguns ajustes mais profissionais, o Moto G 4 Play é bem mais simples. Apontou, focou, fotografou. Por aqui, é possível ativar o HDR, temporizador, escolher a resolução e regular a exposição. Só.

Com 8 megapixels, fizemos alguns testes e as imagens em ambientes claros (luz do dia e escritório) se mostraram com boa qualidade, principalmente nas cores. O problema começa quando a luz começa a ficar escassa. Borrões e ruídos são mais perceptíveis, tanto nos cliques, quanto nos vídeos, além do foco ficar mais lento. E com a câmera principal, é possível gravar em full HD, mas pena que falta estabilização.

A frontal de 5 megapixels segue o mesmo principio. Boa com iluminação, mas deixa a desejar com pouca luz. Ah, e o flash traseiro quebra o galho apenas em objetos/pessoas próximas. Os vídeos também são capturados em full HD, sem estabilização.

E para quem busca um celular mais em conta e que tenha uma bateria que dure o dia inteiro, o Moto G 4 Play manda muito bem. Com 2800 mAh, o resultado foi extremamente positivo.

Fizemos nosso teste padrão (10 fotos, 5 minutos de gravação de vídeo, 15 minutos de visualização de fotos e vídeos, 3 horas de navegação [internet e redes sociais], 30 minutos de ligações, 30 minutos de GPS, 20 minutos de jogos e 10 minutos no YouTube) e ao finalizá-lo tínhamos 35% de carga restante. Pode usar numa boa que ele aguenta bem o tranco do dia a dia.

 

Mas se caso você utilizar bastante e precisar de uma recarga, graças à tecnologia de carregamento rápido, conseguimos sair dos 10% para os 100% de bateria em apenas uma hora.

Conclusão

Para quem está pensando em comprar um novo smartphone básico, mas que entregue um bom desempenho nas tarefas cotidianas, o Moto G 4 Play oferece uma experiência um pouco superior à geração anterior. Na verdade, a configuração é praticamente idêntica ao Moto G3, com exceção dos 2 GB de RAM, que fazem uma boa diferença na performance final.

Além disso, com um hardware mais simples e uma bateria grande, a autonomia é bastante satisfatória, além de oferecer um carregamento rápido. Ou seja, dificilmente você ficará sem bateria durante o dia. E com uma tela de 5 polegadas, curtir conteúdos diversificados, como textos, fotos e filmes, é bastante tranquilo graças a qualidade do visor, com amplo ângulo de visão.

Uma pena que a maioria dos recursos do Moto Ações foi deixado de lado. Já a câmera que faz boas imagens com muita luz, sofre em condições adversas (noite e locais escuros).

Resumindo: se você tiver um modelo da 3ª geração, principalmente se for com 2 GB de RAM , o upgrade não compensa. Mas para quem quer um bom smartphone de entrada, o G 4 Play é uma boa pedida.

Matérias Relacionadas

Review: Samsung Galaxy S8+
1-seg e Full-seg: conheça os padrões de transmissão de TV digital em smartphones
LG lança novos smartphones da série K no Brasil
LG G6 é lançado no Brasil com preço sugerido de R$ 3.999
10/10 Recomendo este produto
10/10 Recomendo este produto
8/10 Recomendo este produto
8/10 Recomendo este produto
8/10 Recomendo este produto

Avaliação Geral

92%Recomendam a compra
8/10Baseado em 200 avaliações

Aspectos Positivos

  • Facilidade de Uso
  • Custo-Benefício
  • Design
  • Display
  • Funções e Características
  • Durabilidade
  • Duração da Bateria
  • Câmera

Pontos de Atenção

  • Desempenho
Enviar sua Avaliação