Buscapé
BuscapéNosso sistema detectou que você está usando um navegador desatualizado

Para uma melhor experiência usando o Buscapé, aconselhamos que atualize o seu navegador para a versão mais recente.
Agradecemos desde já sua compreensão.

Uma frequência de imagem alta é sempre melhor?

Saiba a diferença entre a frequência real e a frequência criada por software.

  • Por: da Redação Buscapéda Redação Buscapé07/08/2017
  • 07/08/2017

Na hora de comprar uma televisão, a frequência da imagem é um atributo que sempre pesa na comparação entre um modelo e outro. Contudo, o usuário deverá se orientar somente pelo número das imagens? E qual é a diferença entre uma frequência real e uma frequência criada por softwares? Saiba quais os cuidados se deve ter para não se deixar cativar por números mais altos, a fim de encontrar um modelo com uma nitidez realmente perceptível aos olhos.

Em um primeiro momento, os números seduzem. Logo que o usuário vê televisões modernas com frequências de 840 Hz, 960 Hz, 1200 Hz e até mesmo 1440 Hz ele pode se deixar levar àquela velha máxima de que quanto maior a frequência mais nítida a imagem do aparelho. No entanto, essa percepção pode não traduzir a frequência real de um aparelho televisivo. O usuário deve ficar atento às tecnologias que aumentam a frequência através de software ou de certos mecanismos que não aumentam verdadeiramente a nitidez da imagem.

Para entender isso, é importante saber que uma frequência corresponde à capacidade da televisão de atualização de imagens por segundo. Uma televisão de 60 Hz reais conta com menos nitidez, portanto, que um televisor com 120 Hz reais, que traz imagens menos borradas e não deixa rastros na tela. Sabendo disso, muitas marcas começaram a criar tecnologias para criar a sensação de movimento, o que não corresponderia à sua versão real, introduzindo imagens duplicadas ou telas pretas entre uma e outra a fim de que se produzisse uma impressão óptica de um processamento rápido.

Como consequência dessas tecnologias, por mais que os rastros ou os borrões de imagem diminuam, também um efeito de artificialidade se cria. Por conta disso, o usuário vê a imagem passar muito mais rápido do que seria natural, distanciando-se do efeito real que a todo instante se busca na compra de uma TV. Uma película de cinema, por exemplo, processa 24 quadros por segundo, e o olho humano não percebe, naturalmente, todos esses quadros de modo consciente, mas ainda assim a película ainda é referência em termos de qualidade de imagem e, quando o usuário compara algum filme que viu no cinema com a versão de tecnologia produzida nos televisores modernos, ele se espanta facilmente com a artificialidade da segunda.

As televisões de plasma também conseguiam escapar desse problema. Quando uma delas apresentava frequências de imagem exorbitantes, o usuário poderia ter certeza que era o real processamento de imagens. Já hoje em dia, é difícil mensurar qual a frequência real de um televisor. O usuário pode, no entanto, ficar atento aos nomes apresentados por algumas tecnologias, a fim de não se iludir com um número que pode parecer mais alto do que é. Nomes como Clear Motion Rate, Perfect Motin Rate, TruMotion, Motion Flow ou AquoMotion fazem parte desse imaginário e, a não ser que o usuário realmnte queira um produto com essa nitidez menos vívida, devem ser olhados com atenção.

Isso não quer dizer que um modelo como uma Samsung Série 9 UN65JS9000, televisão de 65 polegadas com frequência de 1440 Hz tenha uma qualidade de imagem ruim. A sua frequência real é também boa - 240 Hz - e o modelo apresenta uma nitidez verdadeira muito convincente. O mesmo atestado vale para a Philips 6000 Series 55PUG6700, de 55 polegadas, com 960 Hz. O usuário pode comprar esses televisores sem medo, afinal são marcas e linhas que são referência no mercado. Contudo, não deve se orientar pelos números de frequência apresentado. Não quer dizer, portanto, que sua qualidade de imagem seja superior à da LG 65UH6500 de 65 polegadas, com 120 Hz. Vale mencionar ainda que, caso opte por uma das marcas que contam com esses softwares, o usuário pode ainda desativá-lo nas configurações da TV, caso seja de sua preferência.

Veja os preços

Smart TV Samsung Série 9 UN65JS9000 65 polegadas Nano Cristal Curva

  • Definição: 4K Ultra HD
  • Tecnologia: Controle por Movimento, Controle por Voz, Reconhecimento Facial
  • Funções: Desligamento Automático, Digital Clean View, PIP

Novos a partir de:

R$ Consulte

Veja os preços

Smart TV Philips 6000 Series 55PUG6700 55 polegadas LED Plana

  • Definição: 4K Ultra HD
  • Tecnologia: Smart TV
  • Funções: Android TV, Conversor Digital Interno

Novos a partir de:

R$ 3.465,37

Veja os preços

Smart TV LG 65UH6500 65 polegadas LED Plana

  • Definição: 4K Ultra HD
  • Tecnologia: Miracast, Smart TV, Time Machine II
  • Funções: Conversor Digital Interno

Novos a partir de:

R$ Consulte
  • #Frequência
  • #Taxa de atualização

Matérias Relacionadas